10:15 25 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4284
    Nos siga no

    Falta menos de um mês para Joe Biden se tornar o 46º presidente dos EUA. Entretanto, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, pode estar planejando o seu próximo passo.

    Será preciso algum tempo para descobrir quais são as suas ideias, mas há indícios de que ele poderá tentar agitar as águas na península coreana, escreve o jornal Nikkei Asia.

    Existem muitos fatores que afetam as perspectivas das relações entre Washington e Pyongyang.

    Durante um debate presidencial em outubro, Biden chamou Kim de "bandido" e criticou o atual presidente Donald Trump de ser "amigo dele".

    Mais tarde, em meados de novembro, a imprensa estatal da Coreia do Norte chamou Joe Biden de "cão raivoso" supostamente em resposta a críticas feitas pelo político ao diálogo entre atual presidente dos EUA e o líder norte-coreano.

    O país asiático pode não ser de alta prioridade para a futura administração americana, uma vez que os EUA enfrentam numerosos problemas domésticos, entre os quais a incessante pandemia do novo coronavírus.

    Imitação de um míssil norte-coreano é exibida durante uma manifestação em Seul denunciando o teste nuclear da Coreia do Norte e seus lançamentos de mísseis
    © AFP 2021 / Kim Jae-Hwan
    Imitação de um míssil norte-coreano é exibida durante uma manifestação em Seul denunciando o teste nuclear da Coreia do Norte e seus lançamentos de mísseis

    Porém, segundo fontes diplomáticas japonesas, norte-americanas e sul-coreanas familiarizadas com questões nucleares, os assessores de Biden e especialistas em política externa instam a um rápido reinício das negociações de desarmamento entre Washington e Pyongyang.

    Por trás desses apelos está o arrependimento em relação à política de "paciência estratégica" do governo Obama, em que os EUA viraram as costas à Coreia do Norte permitindo que o país melhorasse rapidamente as suas tecnologias militares.

    Segundo projeções, o país asiático tem entre 20 a 60 ogivas nucleares. Para transportá-las foram desenvolvidos mísseis balísticos com trajetórias atípicas, difíceis de localizar e interceptar.

    Os objetivos dos EUA em relação à Coreia do Norte são evitar que a situação tensa na península se deteriore ainda mais e buscar reduzir a ameaça direta ao seu continente, dizem os defensores da nova abordagem em relação à Coreia do Norte.

    De acordo com ex-oficial de alto escalão sul-coreano, a administração Biden buscará uma desnuclearização faseada da Coreia do Norte, acrescentando que é esse tipo de negociações que Pyongyang também deseja.

    Mais:

    Pyongyang ameaça ministra da Coreia do Sul por questionar ausência de casos de COVID-19 no país
    Coreia do Norte perdeu oportunidades de melhorar relações com EUA, diz subsecretário norte-americano
    Coreia do Sul recebe sistemas norte-americanos Patriot modernizados
    Tags:
    península coreana, ogiva nuclear, Donald Trump, Kim Jong-un, Joe Biden, desnuclearização, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar