00:46 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2265
    Nos siga no

    Coreia do Norte possui material suficiente para produzir cerca de 45 armas nucleares, mas não tem "ainda a capacidade de atingir o território continental dos EUA", segundo Siegfried Hecker, perito que examinou instalações norte-coreanas.

    Siegfried Hecker é perito em armas e professor da Universidade de Stanford que inspecionou o Centro de Pesquisa Científica e Nuclear de Yongbyon, localizado a cerca de 90 quilômetros a norte de Pyongyang, a fim de verificar o programa norte-coreano de plutônio.

    De acordo com estimativas do perito, Kim Jong-un tem entre 25 e 48 quilos de plutônio e entre 650 e 900 quilos de urânio altamente enriquecido, escreve tabloide britânico Express.

    O cientista, que foi diretor do Laboratório Nacional de Los Alamos dos EUA e atualmente ensina na Universidade de Stanford, acredita na possibilidade de a Coreia do Norte "alcançar toda a Coreia do Sul e a maior parte do Japão com mísseis nucleares".

    Líder norte-coreano Kim Jong-un inspeciona míssil balístico intercontinental Hwasong-14 em Pyongyang, Coreia do Norte (foto de arquivo)
    © REUTERS / Agência de notícias estatal norte-coreana (KCNA)
    Líder norte-coreano Kim Jong-un inspeciona míssil balístico intercontinental Hwasong-14 em Pyongyang, Coreia do Norte (foto de arquivo)

    No entanto, Hecker opina que os mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) do país asiático precisam passar por testes adicionais para ser "militarmente úteis".

    "Em outras palavras, Coreia do Norte ainda não tem capacidade de alcançar [o território] continental dos EUA com um ICBM com capacidade nuclear, mas continua trabalhando nessa direção", disse o especialista.

    "Minha melhor estimativa atual do programa nuclear da Coreia do Norte é que possui materiais cindíveis suficientes para produzir aproximadamente 45 armas nucleares. A Coreia do Norte conduziu com êxito uma quantidade suficiente de testes de foguetes de curto e médio alcance e, quando combinada com o histórico de testes nucleares, torna possível alcançar com mísseis nucleares toda a Coreia do Sul e a maior parte do Japão", acrescentou.

    No início de outubro, a Coreia do Norte revelou o que pareceu ser um dos maiores mísseis balísticos intercontinentais do mundo durante um desfile militar em Pyongyang.

    A Coreia do Norte continua mandando mensagens ao mundo, em particular aos EUA, de que o seu poder não deve ser subestimado.

    Mais:

    Ex-líderes de países da OTAN pedem apoio à proibição de armas nucleares em meio ao fim do Novo START
    Analistas: Pyongyang está atrasando testes de mísseis balísticos por preferir Trump reeleito
    Coreia do Norte está pronta para mostrar novos mísseis de combustível sólido
    Tags:
    míssil nuclear, Japão, Coreia do Sul, Kim Jong-un, EUA, Coreia do Norte, míssil balístico intercontinental
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar