04:28 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    184
    Nos siga no

    O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, afirmou que qualquer status especial para Nagorno-Karabakh está fora de questão, devido à integridade territorial azeri.

    Ilham Aliev destacou ter avisado inúmeras vezes sobre integridade territorial do Azerbaijão e estar pronto para restaurá-la até por meio militar, durante discurso à nação na região de Fizuli, emitido pelo canal estatal AzTV.

    "Eu disse inúmeras vezes que nós não permitiríamos que um segundo Estado armênio fosse criado nos territórios ancestrais azeris. Disse inúmeras vezes que a integridade territorial do Azerbaijão não pode ser negociada. Disse que o Azerbaijão restauraria sua integridade territorial. Disse que se não fosse por um caminho pacífico, então seria por um caminho militar. Meus discursos estão por todos os lados, estão publicados. Eu disse estas palavras e continuo apoiando-as", afirmou Aliev.

    De acordo com o presidente azeri, a "integridade territorial do Azerbaijão foi restaurada" e Nagorno-Karabakh não pode ter um status especial.

    "É impossível falar em status especial [para Nagorno-Karabakh]. Há um Estado azeri, multinacional e de muitas religiões. Existe um Estado progressivo azeri. Representantes de todas as religiões vivem normalmente, em condições de paz e entendimento. O povo armênio vai viver da mesma maneira, não temos nada contra o povo armênio", explicou.

    Na última segunda-feira (9), os líderes da Rússia, Armênia e Azerbaijão emitiram uma declaração conjunta sobre o fim das hostilidades em Nagorno-Karabakh, uma trégua que teve início no dia 10 de novembro.

    Mais:

    Putin decreta criação de Centro de Resposta Humanitária para Nagorno-Karabakh
    'Hoje não ouvimos tiros em Nagorno-Karabakh', diz comandante da força de paz da Rússia
    Helicópteros Mi-8 e Mi-24 escoltam forças de paz da Rússia em Nagorno-Karabakh (VÍDEO)
    Tags:
    trégua, Nagorno-Karabakh, conflito, Azerbaijão, Armênia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar