06:19 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2221
    Nos siga no

    WeChat tem mais de 1,2 bilhão de usuários ativos na China, enquanto a Apple representou 8% do mercado de smartphones do país asiático no segundo trimestre de 2020, muito atrás da líder Huawei.

    Cidadãos chineses podem abandonar seus iPhones para sempre se os EUA proibirem o popular aplicativo de mensagens WeChat em território norte-americano, alertou Pequim, apontando para dados de relatórios que mostram que a maioria dos consumidores do país asiático está pronta para abandonar a Apple.

    "Muitos chineses estão dizendo que podem parar de usar o iPhone se o WeChat for proibido nos EUA sob o pretexto de 'segurança nacional'", afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian na quinta-feira (27), durante coletiva de imprensa.
    Iphone quebrado
    © AP Photo / Ben Margot
    Iphone quebrado

    Zhao afirmou estar ciente de uma pesquisa, conduzida pela plataforma chinesa Weibo, que mostra que cerca de 95% dos entrevistados abandonariam seu iPhone se o WeChat acabasse em uma lista negra dos EUA. O WeChat tem mais de 1,2 bilhão de usuários ativos na China, enquanto a Apple representou 8% do mercado de smartphones do país asiático no segundo trimestre de 2020, muito atrás da líder chinesa Huawei.

    'Intimidação econômica'

    O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou um decreto executivo no início do mês que proíbe, a partir de setembro, qualquer transação com a desenvolvedora do aplicativo TikTok, a ByteDance, e o aplicativo WeChat, da Tencent Holdings. A proibição pode exigir que a Apple e outras empresas norte-americanas removam o aplicativo de mensagens WeChat de suas lojas de aplicativos.

    Durante a coletiva de imprensa, Zhao afirmou que a proibição do WeChat era uma forma ideologicamente orientada de "intimidação econômica", um "ato de pirataria" que "está fadado a sofrer oposição e resistência da comunidade internacional".

    Esse é apenas o capítulo mais recente da crescente tensão política e econômica entre Washington e Pequim. Anteriormente, o governo Trump apontou dezenas de empresas chinesas, principalmente a Huawei, acusando as empresas de colaborar com o governo chinês.

    Mais:

    Mourão exalta Huawei e diz que 'ninguém pode ser proibido' do leilão 5G no Brasil
    Pentágono obtém breve isenção da Casa Branca para trabalhar por mais tempo com Huawei
    'Comportamento hegemônico': China se opõe à repressão dos EUA contra a Huawei
    Primeira rede 5G totalmente autônoma do mundo é lançada na China
    Tags:
    Apple, EUA, China, Huawei, WeChat
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar