17:31 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Dois oficiais do Alto Comissariado do Paquistão em Nova Deli, o nome da missão diplomática paquistanesa na Índia, foram detidos na cidade por atividades relacionadas a espionagem, informou a mídia indiana neste domingo (31).

    Relatos indicam que os dois detidos, Abid Hussain e Tahir Khan, trabalhavam na seção de vistos da missão paquistanesa, e ambos portavam passaportes indianos falsos. Autoridades indianas suspeitam que os dois estavam engajados em atividades incompatíveis com seu status e possivelmente danosas ao Estado indiano. Eles foram convidados a se retirar da Índia no prazo de 24 horas. 

    Índia detém dois funcionários paquistaneses do Alto Comissariado em Deli por acusações de espionagem. A Índia declarou esses dois funcionários personae non gratae por se entregarem a atividades incompatíveis com seu status de membros de uma missão diplomática​

    Também foi solicitado ao encarregado de negócios do Paquistão que garantisse que nenhum membro da missão diplomática do país se envolvesse em atividades anti-indianas ou se comportasse de maneira incompatível com seu status diplomático.

    Essa é a primeira vez que autoridades paquistanesas são declaradas personae non gratae na Índia desde 2016, quando outro funcionário do Alto Comissariado do Paquistão em Nova Deli, Mehmood Akhtar, foi detido enquanto recebia documentos confidenciais. Durante seu interrogatório, Akhtar teria revelado que trabalhava para o serviço de inteligência paquistanês e que havia sido destacado para a missão diplomática na capital indiana em 2013.

    Mais:

    Fonte militar explica 'interferência russa' contra espionagem da OTAN na Crimeia
    Defesa colombiana demite militares em meio a escândalo de espionagem
    Kim Jong-un teria substituído chefes de espionagem e de segurança pessoal após sua ausência pública
    Tags:
    diplomatas, persona non grata, diplomacia, espionagem, Nova Deli, Paquistão, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar