18:54 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)
    334
    Nos siga no

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que a China está investigando as origens do novo coronavírus que foi registrado pela primeira vez em Wuhan, mas a agência até agora foi impedida de participar da investigação.

    Agora, a entidade informou que quer um convite para participar da investigação chinesa sobre o surto da COVID-19. Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS, declarou que a organização "gostaria de trabalhar" a "convite do governo chinês" nas "origens animais" do novo coronavírus.

    Seus comentários foram feitos menos de 24 horas depois que o representante da OMS na China, Gauden Galea, revelou que estava ciente de que "alguma investigação nacional estava acontecendo", mas que ainda não havia sido convidado pela China a participar.

    O médico de saúde pública maltês acrescentou que, do seu ponto de vista, não havia boas razões para a OMS ser excluída da investigação chinesa.

    Mercado de frutos do mar de Wuhan, China, onde várias pessoas foram infectadas pelo SARS-CoV-2, fechado em 21 de janeiro de 2020
    © AP Photo / Dake Kang
    Mercado de frutos do mar de Wuhan, China, fechado

    Galea revelou ainda que as "origens do vírus são muito importantes" e precisam ser estudadas para "impedir uma recorrência". Até o momento, a OMS não pôde estudar documentos de dois laboratórios virais em Wuhan, o epicentro original do vírus.

    No entanto, eles enfatizaram que não têm dúvidas de que o novo coronavírus ocorreu naturalmente, contrariando teorias de que poderia ter sido criado em um laboratório.

    Pequim não respondeu imediatamente às críticas do órgão de saúde da ONU sobre a investigação chinesa. O governo chinês defendeu a OMS quando os EUA atacaram a organização com um suposto fracasso em alertar o mundo sobre o perigo representado pelo novo coronavírus.

    A COVID-19 foi identificada pela primeira vez na cidade de Wuhan em dezembro passado, antes de se espalhar pelo mundo. A OMS declarou uma pandemia em 11 de março e até o momento já foram registrados mais de 3 milhões de casos confirmados e 234 mil mortes em todo o mundo, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)

    Mais:

    EUA poderão nunca restaurar o financiamento para a OMS, alerta Pompeo
    EUA jogam carta taiwanesa contra posição da China na OMS, alertam especialistas
    Estaria Noruega desafiando posição da OMS quanto à imunidade ao coronavírus?
    Tags:
    Universidade Johns Hopkins, investigação, saúde, novo coronavírus, COVID-19, OMS, Wuhan, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar