00:32 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)
    760
    Nos siga no

    A correção do número de mortos pela COVID-19 de Wuhan, que subiu 1.290 e agora é de 3.869, fazia parte de um processo de verificação estatística e é uma prática internacional comum, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

    Zhao Lijian rejeitou as alegações de que o governo chinês se envolveu em um acobertamento da gravidade do surto, dizendo em um briefing diário que Pequim não permitiria tal coisa.

    A alegação foi apresentada, entre outros, pelo presidente dos EUA, Donald Trump, que congelou o financiamento para a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta semana depois de acusá-la de conspirar com a China para enganar o mundo sobre a ameaça representada pelo vírus. Poucas evidências foram apresentadas para apoiar a afirmação, no entanto.

    Após a revisão de Wuhan, o marco zero da pandemia da COVID-19, o número total de mortos na China é de 4.632. A mudança anunciada nesta sexta-feira (17) foi explicada por "relatórios incorretos, atrasos e omissões de casos" por algumas instituições médicas da cidade durante os estágios iniciais do surto.

    Os EUA tiveram seu próprio aumento nas mortes por COVID-19 devido à reavaliação de casos anteriores. Nova York nesta semana adicionou 3.778 mortes anteriores à sua contagem, incluindo pessoas "presumidas" como mortas pela infecção com base em sintomas e histórico médico, em vez de testes positivos.

    Enquanto segue em ampla quarentena, a Casa Branca mantém a impaciência em reabrir a economia dos EUA e Trump permitiu na quinta-feira (16) que os estados decidissem quando suspender seus bloqueios, cortando contra sua ânsia anterior de aliviar as restrições o mais rápido possível.

    Mulher vende máscaras na cidade de Wuhan, na província de Hubei, na China, em 3 de abril de 2020
    © AP Photo / Ng Han Guan
    Mulher vende máscaras na cidade de Wuhan, na província de Hubei, na China, em 3 de abril de 2020

    Autoridades de Wuhan explicam aumento de 50%

    As autoridades de Wuhan explicaram nesta sexta-feira o acréscimo de outras 1.290 mortes ao número de mortos na cidade nesta sexta-feira, totalizando 50.333 infecções e 3.869 mortes no primeiro epicentro do vírus.

    "No estágio inicial da epidemia, devido à capacidade insuficiente de admissão e tratamento, um pequeno número de instituições médicas não conseguiu se conectar com o sistema de informações de prevenção e controle de doenças em tempo hábil", informaram as autoridades de saúde de Wuhan, acrescentando que "investigação estatística" foi realizada para corrigir os números.

    "Objetivamente, houve relatórios atrasados, relatórios perdidos e falsos positivos", acrescentaram.

    A epidemia de coronavírus em Wuhan ocorreu no final do ano passado, supostamente ligada a um mercado de animais selvagens na cidade. O surto progrediu para uma crise de saúde global, infectando mais de 2,1 milhões de pessoas e matando quase 145 mil em todo o mundo.

    Através de uma série de medidas agressivas de quarentena, a China conseguiu conter a propagação do vírus em março em cerca de 85 mil casos, observando apenas um punhado de novos pacientes nas últimas semanas, enquanto a Europa e os Estados Unidos se tornaram os principais epicentros do patógeno letal.

    Tema:
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)

    Mais:

    China no radar: chefe da OTAN alerta como COVID-19 pode fortalecer rivais da aliança
    EUA suspeitam que China possa ter conduzido testes nucleares secretos
    Impacto da COVID-19: economia da China registra queda de 6,8% no 1º trimestre
    Tags:
    doença, vírus, teoria de conspiração, diplomacia, novo coronavírus, COVID-19, saúde, Reino Unido, Donald Trump, Estados Unidos, Wuhan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar