16:09 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9121
    Nos siga no

    A China pediu aos EUA e ao Irã que resolvam desacordos existentes entre si por meio de diálogo e negociações, disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Geng Shuang, nesta quinta-feira.

    A fala do funcionário chinês veio ao comentar a intenção do presidente dos EUA, Donald Trump, de introduzir novas sanções econômicas contra o Irã.

    As relações entre o Irã e os EUA ficaram seriamente agravadas no início de janeiro, depois que Washington conduziu um ataque aéreo para matar o principal general do Irã, Qassem Soleimani.

    Na quarta-feira, o Irã lançou mísseis contra duas bases que abrigam tropas americanas no Iraque em retaliação pelas ações extrajudiciais de Washington. O presidente dos EUA, Donald Trump, não anunciou uma resposta militar aos ataques com mísseis, mas prometeu impor sanções econômicas adicionais à República Islâmica.

    "A China defende consistentemente a resolução de questões internacionais com base na Carta da ONU e nos princípios fundamentais das relações internacionais. É necessário resolver desacordos mútuos por meio de diálogo, conversas e outros meios pacíficos", afirmou Shuang em um briefing com a imprensa.

    O porta-voz chinês também pediu às partes que sigam a solução política dos problemas e tomem medidas reais para diminuir as tensões no Oriente Médio e no golfo Pérsico.

    Vivendo a sua própria guerra (mas no campo comercial) com os EUA, Pequim é uma das signatárias do Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), o acordo nuclear formatado pelo governo de Barack Obama e o governo persa em 2015, e que foi abandonado pela Casa Branca em 2018.

    Mais:

    China inicia treinamento com caças J-15 em meio a tensões no mar do Sul da China (VÍDEO)
    China e Rússia condenam 'ação ilegítima' dos EUA no Oriente Médio
    China seria capaz de evitar ataques de drones mortais?
    Tags:
    ataques, negociações, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Acordo Nuclear Iraniano, acordo nuclear, ameaças, sanções, diplomacia, Donald Trump, Qassem Soleimani, Geng Shuang, Irã, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar