18:18 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1478
    Nos siga no

    O Reino Unido acredita que o acordo nuclear iraniano continua sendo a melhor maneira de impedir o Irã de desenvolver uma arma nuclear, afirmou o primeiro-ministro Boris Johnson nesta quarta-feira.

    No domingo, o Irã informou que abandonaria as limitações ao enriquecimento de urânio, dando mais um passo para trás nos compromissos sob o acordo nuclear (JCPOA) de 2015.

    "É nossa opinião que o JCPOA continua sendo a melhor maneira de impedir a proliferação nuclear no Irã, a melhor maneira de incentivar os iranianos a não desenvolver uma arma nuclear", declarou Johnson ao Parlamento britânico.

    "Acreditamos que, depois que a crise tiver diminuído, o que, é claro, esperamos sinceramente que ocorra, esse caminho a seguir permanecerá. É uma concha que foi anulada atualmente, mas continua sendo uma concha na qual podemos colocar substância novamente", acrescentou.

    Fiel aliado dos Estados Unidos no Oriente Médio, o Reino Unido tem uma opinião contrária à Casa Branca sobre o acordo nuclear com o Irã. Horas após a fala de Johnson, o presidente estadunidense Donald Trump voltou a pedir que britânicos, alemães, franceses, russos e chineses deixem o documento formalizado em 2015.

    Londres defendeu a ação dos EUA que resultou na morte do general iraniano Qassem Soleimani na última sexta-feira, em Bagdá, no Iraque, apesar de ressaltar de não ter recebido qualquer aviso sobre o ataque aéreo feito por um drone norte-americano.

    Mais:

    EUA não querem guerra com Irã, mas atacarão se americanos morrerem, diz diplomata
    Militares dos EUA abandonam 2 bases na Síria e seguem rumo ao Iraque, informa mídia
    Lula critica Bolsonaro na crise Irã-EUA e afirma: Washington precisa sempre eleger inimigo
    Tags:
    diplomacia, armas nucleares, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Acordo Nuclear Iraniano, acordo nuclear, Qassem Soleimani, Iraque, Donald Trump, Boris Johnson, Estados Unidos, Irã, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar