07:54 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Refugiados Rohingya, oriundos de Myanmar, em um campo localizado perto da cidade de Kutupalong, em Bangladesh

    EUA anunciam sanções contra militares de Mianmar

    © AFP 2019 / K M Asad
    Ásia e Oceania
    URL curta
    113
    Nos siga no

    Os Estados Unidos anunciaram nesta terça-feira (16) sanções contra o comandante-chefe do Exército de Mianmar, Min Aung Hlaing, e outros líderes militares por assassinatos extrajudiciais de muçulmanos rohingya, impedindo-os de entrar nos Estados Unidos.

    As medidas, que também impactam o vice de Min Aung Hlaing, Soe Win, e outros dois comandantes e suas famílias, são as mais fortes já tomadas pelos Estados Unidos em resposta ao massacre da minoria rohingya em Mianmar, também conhecido como Birmânia.

    "Continuamos preocupados com o fato do governo birmanês não ter tomado medidas para responsabilizar os atores de violações e abusos dos direitos humanos, e há relatos contínuos de militares birmaneses cometendo violações de direitos humanos e abusos em todo o país", afirmou o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em comunicado. 

    Pompeo disse que Min Aung Hlaing ordenou a libertação de soldados condenados por assassinatos extrajudiciais na vila de Inn Din durante a limpeza étnica dos rohingya em 2017 e foi "um exemplo notório da contínuo e severa da falta de responsabilização dos militares e sua liderança sênior".

    Uma ofensiva militar em Mianmar em 2017 obrigou mais de 730 mil muçulmanos rohingya a fugirem para o vizinho Bangladesh. Investigadores da ONU disseram que a operação em Mianmar contou com assassinatos em massa, estupros e incêndios criminosos com uma "intenção genocida".

    Mais:

    EUA tomarão todas as medidas para proteger sua indústria da China, diz governo
    Alejandro Toledo, ex-presidente peruano, é preso nos EUA e será extraditado
    Militares dos EUA estão prontos para defender Área 51 secreta contra 'libertadores de ETs'
    Contaminação química é detectada em torno de base aérea dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar