14:10 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Mala com códigos nucleares do assistente militar do presidente norte-americano

    Sobre briga por 'mala nuclear': EUA não podem chegar à China abrindo porta com os pés

    © AP Photo / Alex Brandon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    10403

    Algumas mídias noticiaram uma briga entre agentes de serviços especiais por causa da "mala nuclear" do presidente norte-americano, Donald Trump, durante sua visita à China. O especialista em diplomacia, Lev Klepatsky, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, comentou a situação.

    Agentes das forças especiais chinesas e norte-americanas se desentenderam por causa da "mala nuclear" de Trump no decorrer da visita do presidente norte-americano à China em 2017, comunica a edição Axios, citando fontes conhecedoras do acontecido.

    De acordo com a edição, depois de o líder norte-americano passar na sala de negociações com as autoridades chinesas, um funcionário tentou segui-lo com "a mala nuclear". Contudo, um guarda chinês impediu a passagem do acompanhante de Trump. Representantes da delegação norte-americana chamaram o chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly, que decisivamente se dirigiu à sala dizendo "nós entramos".

    Em seguida, ocorreu um alvoroço, já que um oficial de segurança chinês agarrou Kelly, que rapidamente se soltou, e depois um agente do serviço secreto dos EUA jogou um funcionário chinês no chão, segundo Axios.

    O especialista em diplomacia, Lev Klepatsky, comentou o incidente em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik.

    "De acordo com a prática e com o que eu sei, geralmente, tudo é combinado de antemão, ou seja, em conformidade com o protocolo. Não é que essas pessoas [com a mala nuclear] seguem estreitamente após seu chefe, mas estão a uma distância bem curta. Quanto ao incidente, para os EUA, este comportamento meio 'indecente' é típico. Provavelmente, trata-se de uma falha do protocolo, ou 'sondagem' do terreno para ver se os donos [do evento] o aceitarão ou não. Caso a chantagem tenha seu efeito, os [norte-americanos] vão continuar se comportando desse jeito, caso não dê certo, vão ter de agir no âmbito do protocolo", assinalou Klepatsky.

    De acordo com ele, os norte-americanos se esqueceram de uma coisa importante nas relações com seus colegas chineses.

    "Esse jeito é perigoso caso sejam envolvidos chineses […] Não se trata de um país do Leste Europeu, onde os norte-americanos abrem porta com os pés", acredita o especialista. 

    Mais:

    Marinha dos EUA: Pequim está militarizando mar do Sul da China com 7 novas bases
    Qual é a chance de Rússia e China estarem desafiando EUA pelo 1º lugar no ringue militar?
    Сomo países asiáticos estão frustrando planos militares dos EUA no mar do Sul da China?
    Tags:
    relações bilaterais, briga, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik