06:33 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Rei da Tailândia Bhumibol Adulyadej falecido em 13 de outubro

    China e Tailândia na encruzilhada das relações?

    © AFP 2019 / Pairoj
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Bhumibol Adulyadej foi um líder tailandês que contribuiu satisfatoriamente nas relações entre China e Tailândia. Seu falecimento foi uma grande perda para os povos dos dois países. Tais palavras foram ditas pelo presidente chinês, Xi Jinping, avaliando a importância do rei tailandês que morreu na quinta-feira (13).

    Em carta de condolências, o líder chinês reafirmou que seu país presta atenção elevada aos contatos bilaterais com a Tailândia e à necessidade de fortalecer a cooperação benéfica para as duas nações.

    O rei da Tailândia contribuiu de forma importante para reforçar a amizade entre os dois países e ampliar os laços bilaterais, anunciou o porta-voz da chancelaria chinesa, Geng Shuang, expressando profundo pesar devido ao falecimento de Bhumibol Adulyadej.

    O jornal chinês, South China Morning Post, aponta que o apoio por parte da Tailândia é importante para a China levando em consideração as tensões em torno do mar do Sul da China. Ao contrário das Filipinas, Vietnã e vários outros países, a Tailândia não se envolve nas disputas territoriais com a nação chinesa.

    Em entrevista à Sputnik China, Shen Shishun, especialista do Centro de Estudos do Sul do Oceano Pacífico do Instituto de Problemas Internacionais, Shen Shishun, expôs sua opinião sobre o futuro das relações bilaterais entre os dois países.

    Segundo ele, "embora Bhumibol Adulyadej não tenha tido o poder político real, ele desempenhou um papel inapreciável na estabilidade do país".

    Shishun prevê que a morte do rei "poderá abalar o equilíbrio da vida política do país, causando o aparecimento de problemas no curso futuro da política externa".

    Ao mesmo tempo, o especialista ressalta que desde o estabelecimento das relações diplomáticas entre China e Tailândia, em 1975, os dois países mantêm laços de amizade.

    "Independente de quem assuma o poder na Tailândia, as relações com a China sempre serão importantes para o país", destaca Shishun.

    De acordo com Alexey Fenenko, especialista da faculdade de relações internacionais da Universidade Estatal de Moscou, as incertezas sobre o futuro tailandês criam uma nova situação no triângulo China-Tailândia-EUA, alterando o balanço na região.

    Ele acredita que os EUA estão arquitetando uma estratégia que cercará a China e atrairá a atenção da Tailândia.

    "Em outras palavras, esperamos uma luta pela Tailândia entre a China e os EUA", indica.

    Shishun considera que, sendo assim, a Tailândia tentará construir relações com a China e com os EUA, ao mesmo tempo:

    "A Tailândia vai manter relações próximas com os EUA. Na verdade, não só Tailândia, mas também muitos outros países da Ásia Sudeste estão tentando 'balancear' as relações com as grandes potências", ressalta.

    A Tailândia se tornou o primeiro país da ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático) a comprar técnica militar da China por "preços amigáveis". Há um ano, os dois países realizaram manobras de fuzileiros navais e, em maio deste ano, exercícios militares dos quais participaram 1000 soldados chineses e tailandeses. Em julho, o ministro da Defesa da Tailândia anunciou que o país pretende comprar três submarinos chineses no valor de 1 bilhão de dólares.

    Alexey Fenenko acredita que os EUA tentarão mudar a política da Tailândia e construir parceria militar com o país da mesma forma como que se aproximam do Vietnã, com quem os americanos vêm construindo relações bilaterais durante os últimos seis anos.

    "A China, aparentemente, tentará impedir a assinatura de acordos de fornecimento de armas entre os EUA e a Tailândia e ampliação da parceria na área militar", conclui.

    Mais:

    China: Acusações dos EUA sobre 'covardia' de forças de paz são 'especulações maliciosas'
    Exército da Tailândia pretende substituir helicópteros dos EUA por aeronaves russas
    Tags:
    falecimento, exercícios militares, balanço, relações bilaterais, South China Morning Post, Universidade Estatal de Moscou, Mar do Sul da China, Vietnã, Filipinas, Tailândia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar