07:12 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    COVID-19 no mundo no final de agosto de 2021 (21)
    0 52
    Nos siga no

    Cerca de 171 milhões de norte-americanos foram totalmente vacinados contra o novo coronavírus. A Casa Branca redobrou seus esforços para promover a vacinação neste verão em meio à rápida propagação da variante Delta.

    O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, ordenou nesta quarta-feira (25) que todos os militares sejam vacinados contra a COVID-19 e instruiu os oficiais de alto escalão a "impor cronogramas ambiciosos para a implementação" das doses.

    "Para defender esta nação precisamos de uma força saudável e pronta. Após cuidadosa consulta com médicos especialistas e lideranças militares, e com o apoio do presidente [Joe Biden], eu determinei que a vacinação obrigatória contra a doença do coronavírus [...] é necessária para proteger as Forças [Armadas] e defender o povo norte-americano", afirmou Austin em memorando distribuído pelo Pentágono e citado pela agência Associated Press.

    Embora o documento não forneça um prazo definido para a vacinação dos cerca de 800.000 militares da reserva e da ativa não vacinados, um oficial de defesa sênior anônimo disse à mídia que Austin deixou claro aos comandantes que espera que o processo seja concluído em semanas, não em meses.

    Até agora, pouco mais de um milhão de membros ativos, Guarda Nacional e reservistas foram totalmente vacinados nos EUA.

     Enfermeira enche seringas com a vacina da Pfizer no Centro Médico St. Joseph PeaceHealth, EUA, 3 de junho de 2021
    © AP Photo / Elaine Thompson
    Enfermeira enche seringas com a vacina da Pfizer no Centro Médico St. Joseph PeaceHealth, EUA, 3 de junho de 2021

    Pfizer e exceções

    A vacinação obrigatória lançada pelo Pentágono oferecerá especificamente o inoculante da Pfizer/BioNTech aos militares e o secretário de Defesa norte-americano disse que tinha o suficiente em estoque. No entanto, as tropas são livres para obter outra vacina, se assim desejarem.

    Apesar de obrigatória, a campanha de vacinação do Pentágono permite exceções, informa a mídia. Se um militar tiver "imunidade existente" para COVID-19, um distúrbio de imunodeficiência como o HIV, ou uma reação alérgica aos componentes da vacina, o militar pode ser isento da vacinação. Também existem várias isenções administrativas raras, como nos casos em que a religião de uma pessoa proíbe a vacinação.

    Mais de 171 milhões, ou 51,6%, de todos os norte-americanos foram totalmente vacinados contra a COVID-19 até agora, com a Casa Branca expandindo sua campanha pró-vacinação em meio à propagação da variante Delta.

    Tema:
    COVID-19 no mundo no final de agosto de 2021 (21)

    Mais:

    Pesquisadores descobrem segredo da proteção de crianças contra COVID-19
    Inteligência dos EUA não confirma origem da COVID-19 após 90 dias de investigação
    COVID-19: estudo mostra que não vacinados têm 29 vezes mais probabilidade de serem hospitalizados
    China avisa EUA de 'retaliação' se seguirem acusando Pequim de vazamento da COVID-19 de laboratórios
    Tags:
    vacina, vacina, vacinação, Lloyd J. Austin, COVID-19, novo coronavírus, pandemia, EUA, Pentágono
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar