10:45 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    8316
    Nos siga no

    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, diz que a Rússia e a China desacreditam os EUA ao afirmarem que o país está em declínio. Blinken discorda, mas admite que os Estados Unidos estão perdendo terreno.

    "Os governos chinês e russo, entre outros, estão alegando em público e privado que os Estados Unidos estão em declínio", disse Blinken.

    O alto funcionário norte-americano disse que os governos russo e chinês tentam convencer os países das vantagens da "visão autoritária do mundo" sobre a abordagem "democrática" dos Estados Unidos.

    "Nada desmentiria mais rapidamente seus argumentos enganosos de que os melhores dias da América estão para trás do que os Estados Unidos fazerem investimentos sérios em renovação interna agora mesmo", de acordo com Blinken.

    No entanto, o secretário do Estado admitiu que os adversários estão empurrando os EUA para trás, dado que o país atualmente ocupa a 13ª posição pela qualidade da infraestrutura e a 9ª posição pelos investimentos em pesquisas e inovações em proporção do Produto Interno Bruto.

    "Poderíamos fazer melhor. Essa é a verdade dura. Estamos ficando para trás", revelou. "É nossa tarefa assumir a responsabilidade e levá-la adiante para as gerações futuras".

    Blinken apelou para investir em renovação da infraestrutura do país para manter sua liderança global, porque tais ações no futuro levam a mais empregos, investimento, influência diplomática e comércio.

    "Todas as distinções entre política interna e externa despareceram", afirmou Blinken. "Nossa renovação interna e nossa força no mundo estão completamente entrelaçadas".

    Anteriormente, o ex-chefe da inteligência dos EUA assegurou que a China é a "principal ameaça para a segurança nacional" de seu país. O político advertiu que Pequim quer submeter Washington às regras e à ordem chinesas no mercado mundial.

    Mais:

    China rebate EUA sobre 5G da Huawei no Brasil: 'Querem sabotar a parceria sino-brasileira'
    Reino Unido tentou formar coalizão militar para ajudar forças afegãs, afirma ministro britânico
    EUA temem que subida de tensões com Irã coloque em risco negociações do acordo nuclear, afirma mídia
    EUA revelam 'profunda preocupação' com crescente arsenal nuclear da China, aponta Blinken
    Exército dos EUA vai manter locais na Europa que seriam devolvidos à Alemanha e à Bélgica
    Tags:
    EUA, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar