07:56 17 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 303
    Nos siga no

    O embaixador chinês nas Nações Unidas disse hoje (10) que o país se opõe firmemente "aos comentários irresponsáveis" dos EUA sobre a questão do mar do Sul da China.

    O embaixador da China na ONU, Dai Bing, falava em um debate virtual do Conselho de Segurança sobre segurança marítima na segunda-feira (9), em resposta aos comentários do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, sobre Pequim em relação ao mar do Sul da China.

    "Os próprios EUA não estão qualificados para fazer comentários irresponsáveis sobre a questão do mar do Sul da China".

    Os norte-americanos têm criado problemas, enviando arbitrariamente seus navios e aeronaves militares avançadas à região como forma de provocação e tentando publicamente dividir os países regionais, afirmou o emissário, citado pelo jornal Global Times.

    No dia 12 de julho, o destróier de mísseis USS Benfold ingressou nas águas territoriais das ilhas Xisha [Paracel], que Pequim considera suas.

    Dai Bing ressaltou que os EUA "não têm credibilidade" nas questões marítimas e não aderem à Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, contudo se consideram juízes da Convenção.

    O embaixador disse que a China se opõe firmemente ao que os EUA disseram sobre a questão do mar do Sul da China no Conselho de Segurança, que não era o lugar certo para discutir o assunto.

    O emissário observa que, tanto a China, quanto os Estados-membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, na sigla em inglês), estão empenhados em alcançar um código de conduta comum no mar do Sul da China.

    Mais:

    'Falhamos miseravelmente': EUA buscam nova estratégia militar após perder guerra simulada com China
    EUA enfrentam desafios da China na luta pela influência na África
    Regulador de segurança chinês busca maior cooperação com EUA
    Tags:
    China, EUA, Mar do Sul da China, conflito, política, geopolítica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar