20:50 15 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2321
    Nos siga no

    John Ratcliffe, que entre maio de 2020 e janeiro de 2021 ocupou o cargo de diretor da Inteligência Nacional dos EUA, assegura que a China é a "principal ameaça para a segurança nacional" de seu país.

    "É um concorrente ilícito e desonesto no mercado mundial [...] Além disso, o que é mais importante, é nosso adversário número um, nossa principal ameaça para a segurança nacional", observou em uma entrevista à Fox News.

    Neste sentido, o político advertiu que Pequim quer submeter Washington às regras e à ordem chinesas no mercado mundial.

    "Não há país que tenha feito mais para prejudicar a economia mundial ou os cidadãos do mundo nos últimos anos do que a China [...] responsável por milhões e milhões de mortes pela COVID-19 e por ações para encobri-la", acusou Ratcliffe.

    "Portanto, já é hora de termos uma discussão honesta sobre quem é a China e não permitir que estas falsas narrativas sejam perpetradas", concluiu.

    Quando estava no comando da Inteligência norte-americana durante a presidência de Donald Trump, Ratcliffe afirmou que o país asiático representava "a maior ameaça para a democracia e a liberdade em todo o mundo desde a Segunda Guerra Mundial".

    "Muitas das principais iniciativas públicas e de empresas de destaque da China oferecem apenas uma cobertura para as atividades do Partido Comunista Chinês", indicou, acusando o país asiático de roubo de propriedade intelectual e de espionagem econômica.

    Segundo Ratcliffe, o presidente chinês Xi Jinping tem um "plano agressivo para converter a China na principal potência militar do mundo" e, para isso, o gigante asiático está roubando tecnologia militar norte-americana.

    Pouco depois da publicação da declaração, Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, denunciou que os EUA estão praticando "a típica duplicidade de critérios", ressaltando que o verdadeiro propósito deste tipo de acusações é "criar desculpas para justificar o bloqueio de alta tecnologia contra a China", o que, eventualmente, "prejudicará os interesses da China, dos EUA e do mundo inteiro".

    Mais:

    'Falhamos miseravelmente': EUA buscam nova estratégia militar após perder guerra simulada com China
    'Maior disseminador': jornal estatal chinês diz que EUA são responsáveis pela propagação da COVID-19
    Regulador de segurança chinês busca maior cooperação com EUA
    Tags:
    EUA, China, ameaça, ameaça militar, política
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar