01:32 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    5203
    Nos siga no

    O chanceler de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, rejeitou as declarações do alto representante da União Europeia (UE) para a Política Exterior, Josep Borrell, da Espanha, que apelou às autoridades da ilha para que respeitassem os direitos humanos e as liberdades civis, após os conflitos de 11 de julho.

    Por sua vez, o governo cubano reiterou que as pessoas detidas e submetidas a julgamento foram processadas por desordem pública, desacato às autoridades e por outros danos, segundo informações prestadas pela Procuradoria Geral da República.

    Rejeito veementemente a declaração do Alto Representante da UE, segundo a qual não ousa mencionar o bloqueio genocida dos Estados Unidos, que viola a soberania europeia e lhe impõe suas leis e tribunais. Sobre Cuba, mente e manipula. Poderia antes lidar com a repressão policial brutal na UE.

    Pessoas acusadas de cometer atos de vandalismo, como roubos e saqueamento de lojas, agressões contra autoridades e civis, entre outras acusadas de instigar crimes, também se encontram detidas.

    Havana acusou Washington de instar os protestos em Cuba, como parte de um plano para promover e financiar a instabilidade, por meio de operadoras de Internet no país, em colaboração com membros de grupos radicais de emigrantes cubanos residentes na cidade de Miami, no sul dos EUA.

    Mais:

    Aviões com ajuda humanitária da Rússia aterrissam em Cuba (VÍDEOS)
    'Brasil ainda tem relações comerciais com Europa, porém, perdeu a confiança da UE', diz analista
    Auxílio a Cuba: México deve enviar 2 navios com alimentos, remédios e oxigênio para ilha
    Tags:
    Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, Josep Borrell, UE, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar