01:53 12 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    193
    Nos siga no

    Médicos dizem que até o momento não há evidências de que a radiação das torres 5G possa ser prejudicial à saúde ou aumentar o risco de infecção pelo coronavírus.

    Opositores da comunicação 5G estão preocupados com o impacto da nova tecnologia no meio ambiente e na saúde humana, incluindo o fato de que ela poderia alegadamente aumentar o risco de infecção pelo coronavírus. Esses temores se materializaram em casos de vandalismo de torres 5G no Reino Unido, Polônia, Bolívia e em outros países.

    Oleg Ivanov, chefe adjunto do Ministério das Comunicações da Federação da Rússia, afirmou que os relatos sobre consequências médicas e ambientais negativas da quinta geração de comunicações são infundados, porque o 5G trabalhará em faixas próximas à geração anterior, de 4G/LTE, não havendo diferença significativa em seu impacto no meio ambiente.

    "O coronavírus não tem nada a ver com as torres de comunicação, não está ligado a elas. É tudo fantasia, não tem qualquer ligação", declarou Viktor Maleev, conselheiro do diretor do Instituto Central de Pesquisa Epidemiológica da Rospotrebnadzor (organização de defesa dos direitos de consumidor na Rússia) e acadêmico da Academia de Ciências da Rússia em Moscou.

    Por sua vez, o chefe do departamento interdisciplinar de oncologia do Centro Dmitry Rogachev, professor e membro do conselho da Sociedade Russa de Oncologia Clínica, Nikolai Zhukov, observou que a instalação de tais torres é regulamentada a nível estatal, sendo necessário realizar um exame de segurança antes de ser dada a permissão para sua instalação.

    No entanto, é difícil rastrear os resultados a longo prazo do impacto da radiação na saúde humana, mas os que agora afirmam que são possíveis alguns danos não têm provas, de acordo com Zhukov.

    Mais:

    Administração Trump está dividida sobre nova rede 5G
    EUA pressionam Canadá a não adotar tecnologia da Huawei na rede de 5G
    Pompeo qualifica Huawei como 'cavalo de Troia' para roubo de dados
    Tags:
    Moscou, Academia de Ciências da Rússia, Rospotrebnadzor, COVID-19, Bolívia, Polônia, Reino Unido, Rússia, 5G
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar