04:08 30 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1416
    Nos siga no

    Jen Psaki, porta-voz da Casa Branca, negou nesta sexta-feira (18) que a administração Biden tenha suspendido a ajuda militar à Ucrânia no valor de US$ 100 milhões (R$ 506,8 milhões).

    Ontem, o jornal Politico, citando três fontes não identificadas, informou que os EUA suspenderam a transferência de armas à Ucrânia à medida que as tensões com a Rússia diminuíam.

    "A ideia de termos retido a assistência de segurança à Ucrânia não faz sentido. Ainda na semana passada, antes da cúpula EUA-Rússia, fornecemos um pacote de US$ 150 milhões (R$ 754 milhões) de assistência à segurança, incluindo assistência [de armamento] letal. Fornecemos agora todo o montante aprovado pelo Congresso através da iniciativa de assistência à segurança da Ucrânia", afirmou Psaki.

    Uma fonte contou à mídia que a remessa de armas, que inclui sistemas de defesa aérea de curto alcance, armas ligeiras e mais armas antitanque, se mantém pronta e pode ser enviada rapidamente à Ucrânia.

    Fuzileiros navais dos EUA chegaram à Ucrânia para participar do treinamento das forças armadas
    Fuzileiros navais dos EUA chegaram à Ucrânia para participar do treinamento das forças armadas

    Segundo o Conselho de Segurança Nacional norte-americano, a proposta foi pausada depois que Moscou anunciou a retirada de suas tropas destacadas perto da fronteira da Ucrânia, e antes da cúpula na quarta-feira (16) em Genebra, Suíça, entre Joe Biden, presidente dos EUA, e Vladimir Putin, presidente da Rússia.

    Desde 2014, os EUA já forneceram cerca de US$ 2,5 bilhões (R$ 12,67 bilhões, na cotação atual) em ajuda militar a Kiev, incluindo armas letais.

    Mais:

    Metade dos ucranianos não querem ser 'bucha de canhão' da OTAN, diz Putin
    'Simulando conflito com Rússia': Ucrânia se beneficiará realizando jogos de guerra com OTAN?
    'Eu fiz o que vim para fazer', diz Biden após encontro com Putin
    Tags:
    Joe Biden, Governo dos EUA, ajuda militar, armas letais, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar