21:40 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4252
    Nos siga no

    Nesta sexta-feira (11), o presidente venezuelano Nicolás Maduro exigiu ao líder dos EUA, Joe Biden, que desbloqueie os fundos que Caracas pagou para adquirir vacinas contra COVID-19 através do sistema COVAX.

    "Exijo ao governo de Joe Biden que desbloqueie o dinheiro da Venezuela, que desbloqueie as vacinas da Venezuela", disse Maduro, afirmando que o governo de Washington pretende prejudicar seu país através de um "bloqueio criminoso", impedindo a compra de vacinas para imunizar a população de forma maciça, informa portal Telesurtv.net.

    As declarações de Maduro ocorrem na sequência da denúncia do seu governo sobre o congelamento de fundos pagos pelo país sul-americano ao mecanismo da COVAX. A quantia retida pelo banco suíço UBS está "sob investigação" e ultrapassa os US$ 10 milhões (R$ 50,8 milhões).
    Paciente recebe vacina contra a COVID-19 Sputnik V em hospital em Caracas, Venezuela, 20 de fevereiro de 2021
    © Sputnik / Marga Gibelli
    Paciente recebe vacina contra a COVID-19 Sputnik V em hospital em Caracas, Venezuela, 20 de fevereiro de 2021

    O presidente venezuelano frisou que, embora existam diferenças ideológicas com os EUA, sempre deve prevalecer o caráter humanitário, razão pela qual pediu a cessação da "perseguição" e bloqueio imposto aos venezuelanos, especialmente dos meios destinados ao combate à pandemia.

    Maduro disse ainda que, com as vacinas que o COVAX fornecerá a seu país, Venezuela poderá imunizar pelo menos 70% de sua população antes do último trimestre deste ano.

    Mais:

    Maduro condiciona diálogo com oposição radical na Venezuela, exigindo que renuncie ao 'golpismo'
    No Brasil, líderes lançam carta pedindo o 'fim da perseguição da PF' contra diplomatas venezuelanos
    Bolsonaro compara Fernández a Maduro após fala de presidente argentino: 'Para eles não tem vacina'
    Tags:
    Venezuela, Nicolás Maduro, COVID-19, EUA, Joe Biden
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar