01:36 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3515
    Nos siga no

    Após fala do presidente argentino, presidente brasileiro o compara a Nicolás Maduro, presidente da Venezuela. Logo depois, Bolsonaro disse que só há "problema" entre Brasil e Argentina no futebol.

    Nesta quinta-feira (10), o presidente Jair Bolsonaro, respondeu à declaração feita pelo presidente da Argentina, Alberto Fernández, sobre os brasileiros. Bolsonaro deu a entender que Fernández e Maduro são irremediáveis, já que para os dois "não tem vacina", segundo a Folha de São Paulo.

    "Lembro que, logo que o [Hugo] Chávez morreu, assumiu o Maduro, e ele falava que conversava com os passarinhos que estavam encarnados na figura do Chávez. Acho que para o Maduro e o Fernández, para eles, não tem vacina", disse o presidente brasileiro a um grupo de apoiadores segundo a mídia.

    No entanto, após a declaração, Bolsonaro disse que não há nenhum problema entre o Brasil e a Argentina.

    "Troquei mensagem no WhatsApp hoje com o ex-presidente [Mauricio] Macri, da Argentina. Não tem nenhum problema entre nós nem com o povo argentino. Rivalidade com a Argentina, só no futebol", declarou o presidente.

    Na quarta-feira (9), ao tentar explicar os laços históricos que unem a Argentina e a Europa, durante uma visita oficial do premiê espanhol Pedro Sánchez, Fernández declarou uma frase polêmica dizendo que "os mexicanos vieram dos índios, os brasileiros vieram da selva, mas nós argentinos viemos dos navios. E eram navios que vieram da Europa". Horas após a declaração, o presidente argentino pediu desculpas.

    Mais:

    Bolsonaro pediu a Modi liberação de insumo de cloroquina para empresas no Brasil, revela mídia
    Lula: 'Se for necessário para tirar Bolsonaro que eu seja candidato, não tenham dúvida que serei'
    Em evento, Bolsonaro volta a afirmar que 'Exército é a garantia da Constituição' do Brasil (VÍDEO)
    Tags:
    Venezuela, Argentina, Nicolás Maduro, Alberto Fernández, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar