15:48 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3311
    Nos siga no

    No topo da agenda da reunião entre chanceleres da OTAN está o futuro da missão de 9.600 homens da aliança no Afeganistão, que devem deixar o local até 1º de maio.

    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, prometeu nesta terça-feira (23) reconstruir e revitalizar a aliança militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e compartilhar os planos norte-americanos sobre qualquer possível retirada do Afeganistão.

    "Esperamos discussões produtivas neste momento verdadeiramente crucial para a aliança. Vim aqui para expressar o compromisso inabalável dos EUA [com a aliança], que por mais de 70 anos tem sido uma pedra angular para garantir paz, prosperidade e estabilidade na região transatlântica", afirmou Blinken, citado pela agência Reuters, em sua primeira visita à sede da OTAN, em Bruxelas, Bélgica, antes do início da reunião dos ministros das Relações Exteriores da aliança.

    Os chanceleres devem discutir questões como a pandemia de COVID-19, tropas no Afeganistão, mudanças climáticas, terrorismo e alegados desafios colocados por países como China, Irã e Rússia.

    "Os EUA querem reconstruir relações com parceiros, em primeiro lugar com nossos aliados da OTAN, queremos revitalizar a aliança para garantir que seja tão forte e eficaz contra as ameaças de hoje como antigamente", enfatizou Blinken.

    Impasse no Afeganistão

    No topo da agenda da OTAN está o futuro da missão de 9.600 homens da aliança no Afeganistão, depois que o ex-presidente dos EUA, o republicano Donald Trump, fechou um acordo com o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países) para retirar as tropas da aliança até 1º de maio.

    O Secretário de Estado dos EUA sublinhou que a retirada das tropas dos EUA será realizada apenas com o consentimento dos aliados da OTAN.

    Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, caminha durante sua visita a Cabul, Afeganistão, em 21 de março de 2021
    © REUTERS / Presidential Palace
    Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, caminha durante sua visita a Cabul, Afeganistão, em 21 de março de 2021
    "Não há escolhas fáceis e, por enquanto, todas as opções permanecem em aberto […]. A situação de segurança está difícil e vamos tomar todas as medidas necessárias para manter nossas tropas seguras", afirmou o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg.

    Na semana passada, o presidente dos EUA, o democrata Joe Biden, afirmou que seria "difícil" cumprir o prazo acordado com o Talibã. Biden estaria ponderando a possibilidade de estender a permanência das forças norte-americanas até novembro de 2021, seis meses adicionais ao acordo fechado por Trump.

    O Talibã, por sua vez, manifestou-se na sexta-feira (19) contra a Casa Branca manter suas tropas além da data acordada. Atualmente, cerca de 3.500 soldados norte-americanos estão posicionados no Afeganistão.

    Nord Stream 2

    Antony Blinken também abordou o tema do gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2), que está sendo construído da Rússia para a Alemanha. Para o secretário de Estado dos EUA, o empreendimento vai contra os interesses da União Europeia e pode minar a Ucrânia e a Polônia.

    "O presidente Biden foi muito claro, ele acredita que o gasoduto é uma má ideia, ruim para a Europa, ruim para os EUA, [e] em última análise está em contradição com os próprios objetivos de segurança da União Europeia [...]. Isso tem o potencial de minar os interesses da Ucrânia, da Polônia e de uma série de parceiros e aliados próximos", afirmou Blinken, acrescentando que uma lei dos EUA exigia que Washington impusesse sanções às empresas participantes do projeto Nord Stream 2.

    A Alemanha está pressionando pela conclusão do empreendimento, apesar da oposição constante dos EUA ao longo de mais de uma década. O gasoduto já está cerca de 95% construído e pode ser concluído até setembro, dizem analistas que monitoram os dados de rastreamento.

    Os EUA temem que a Rússia possa usar o Nord Stream 2 como alavanca para enfraquecer os Estados da União Europeia, aumentando a dependência de Moscou. A Rússia tem alertado repetidamente contra a politização do que considera um projeto puramente econômico.

    Mais:

    Blinken pede 'investigação independente' para o fim da 'limpeza étnica' em Tigré
    Blinken nega que Seul está liberando verba de sanções ao Irã: não há dinheiro sem cooperação
    Blinken diz que 'a bola está no campo do Irã' e nega liberação de fundos congelados iranianos
    Blinken insta China a pressionar Pyongyang sobre desnuclearização para 'seu interesse próprio'
    Tags:
    Talibã, Afeganistão, Afeganistão, EUA, Antony Blinken, Cúpula da OTAN, OTAN, OTAN
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar