04:44 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    231
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (3) a Venezuela repudiou a decisão do presidente dos EUA, Joe Biden, de prorrogar por um ano o decreto de "emergência nacional" que considera o país sul-americano "uma ameaça incomum e extraordinária" para Washington.

    Esta ordem executiva foi aquela que, em 2015, abriu as portas à aplicação de medidas coercivas unilaterais contra Caracas.

    "É lamentável que, com esta medida, o novo Governo dos EUA continue se afastando da diplomacia e reiterando o modelo de agressão da administração anterior, que tem causado grandes danos ao povo da Venezuela", disse em comunicado a Chancelaria do país sul-americano.

    ​A Venezuela repudia categoricamente a renovação do decreto ilegal sob o qual o governo dos EUA aplica medidas coercivas unilaterais como parte de sua política de agressão cruel e sistemática contra o povo venezuelano.

    O documento sublinha que esta medida tem posto em risco áreas vitais de funcionamento do país, como a alimentação e a saúde. "O decreto, contrário ao direito internacional, constitui uma afronta ao sistema multilateral e deve ser revogado".

    Ontem, a Casa Branca informou que Joe Biden estendeu por mais um ano a declaração de "emergência nacional" em relação à Venezuela que havia sido decretada ainda pelo governo de Barack Obama em março de 2015.

    Mais:

    UE adverte Venezuela do 'isolamento internacional' e pede para voltar atrás de expulsar embaixadora
    UE declara 'persona non grata' chefe de missão diplomática da Venezuela
    Parlamentar opositor da Venezuela diz ter sido deportado dos EUA por estar 'colaborando' com Maduro
    Tags:
    medidas unilaterais, Joe Biden, Casa Branca, Jorge Arreaza, Governo da Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar