07:11 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    246
    Nos siga no

    A moção, que foi aprovada por 266-0, pede também que os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 sejam transferidos de Pequim por causa do tratamento dado aos uigures na região de Xinjiang, na China.

    A Câmara dos Comuns do Canadá votou na segunda-feira (22) para declarar que a China está cometendo genocídio contra mais de um milhão de uigures na região ocidental de Xinjiang, mas o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e seu gabinete se abstiveram na votação.

    "Há um sofrimento real acontecendo na China. Há um genocídio acontecendo […]. Nossos valores não estão à venda. E o senhor Trudeau precisava enviar essa mensagem hoje [segunda-feira] e ele falhou", afirma Erin O'Toole, líder do Partido Conservador, da oposição, pedindo ao governo que confirme a declaração aprovada pela Câmara dos Comuns e trabalhe com aliados como os EUA para pressionar pelo fim da conduta da China, reporta a agência Associated Press. 

    A China nega quaisquer abusos e insiste que as medidas tomadas são necessárias para combater o terrorismo e um movimento separatista.

    A moção foi aprovada por 266 votos a favor dos 338 possíveis, e convoca também o Comitê Olímpico Internacional a retirar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 de Pequim, China. Os principais partidos da oposição apoiaram a moção e controlam a maioria das cadeiras na Câmara dos Comuns. O gabinete de Trudeau é composto por 37 legisladores liberais, incluindo o primeiro-ministro. Há 154 legisladores do partido Liberal, de Trudeau, na Câmara dos Comuns e o restante dos legisladores liberais votou livremente na moção.

    Bandeiras do Canadá e da China antes de reunião entre Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá, e Xi Jinping, presidente da China, na pousada estatal Diaoyutai, em Pequim, China, em 5 de dezembro de 2017
    © AFP 2021 / Fred Dufour
    Bandeiras do Canadá e da China antes de reunião entre Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá, e Xi Jinping, presidente da China, na pousada estatal Diaoyutai, em Pequim, China, em 5 de dezembro de 2017
    "O governo do Canadá leva muito a sério qualquer alegação de genocídio", disse o ministro das Relações Exteriores, Marc Garneau, ao recordar que o país prefere uma abordagem comum com seus aliados sobre o tema.

    'Ato vergonhoso'

    A China afirmou nesta terça-feira (23) que condena e rejeita a decisão do parlamento canadense. A China apresentou duras representações ao Canadá, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin.

    Trabalhador colhe algodão cru em uma área de cultivo de algodão no noroeste da China, na região autônoma de Xinjiang
    © AP Photo / Eugene Hoshiko
    Trabalhador colhe algodão cru em uma área de cultivo de algodão no noroeste da China, na região autônoma de Xinjiang
    A embaixada chinesa no Canadá, por sua vez, emitiu um comunicado no qual chama a moção de "ato vergonhoso" e disse que os legisladores canadenses são "hipócritas" por utilizarem como desculpa os direitos humanos "para participar de uma manipulação política em Xinjiang com o objetivo de interferir nos assuntos internos da China".

    Pesquisadores e grupos de direitos humanos estimam que, desde 2016, a China prendeu um milhão ou mais de uigures e pessoas de outros grupos minoritários em prisões e vastos campos de doutrinação que o Estado chinês chama de centros de treinamento.

    Mais:

    Canadá impõe sanções contra 9 militares de Mianmar
    Corte britânica rejeita liberar documentos de banco ligado à executiva da Huawei detida no Canadá
    China quer diálogo com os EUA e fim da política de sanções e tarifas, diz chanceler chinês
    China está criando sistema de treino 'nunca antes visto' em meio a ameaças e desafios globais
    Tags:
    Justin Trudeau, Xinjiang, uigures, genocídio, China, Canadá
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar