15:16 15 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    256
    Nos siga no

    Ação movida nesta terça-feira (1º) pode mudar o resultado da eleição no estado, onde Biden venceu por uma diferença de cerca de 20 mil votos.

    A equipe jurídica do presidente dos EUA, Donald Trump, entrou com uma ação judicial nesta terça-feira (1º) para contestar os resultados da eleição presidencial no estado do Wisconsin

    O processo, segundo a equipe de Trump, contesta os resultados com base em quatro violações no procedimento de contagem de voto. A principal alegação é a de fraude na votação por correspondência.

    "A campanha de reeleição do presidente Donald J. Trump moveu uma ação na Suprema Corte de Wisconsin após a recontagem solicitada pela campanha para descobrir fraudes e abusos que alteraram irrefutavelmente o resultado dessas eleições", disse o comunicado da equipe do presidente norte-americano.

    A ação contesta a validade de cerca de 220 mil cédulas de votantes ausentes, alegando que elas podem ter sido ilegalmente preenchidas. Se a Suprema Corte de Wisconsin descartar estes votos, Trump poderia vencer a eleição no estado, uma vez que Biden atualmente tem a vitória com uma margem de 1% – ou cerca de 20.000 votos.

    Candidato democrata Joe Biden
    © REUTERS / Tom Brenner
    Candidato democrata Joe Biden

    Nesta segunda-feira (30), os estados do Arizona e do Wisconsin oficializaram a vitória de Joe Biden, candidato democrata à presidência dos EUA, em seus respectivos processos eleitorais.

    Enquanto Joe Biden faz nomeações para sua equipe de governo, Trump se recusa a aceitar o resultado da votação, alegando repetidas vezes que houve "fraudes" na eleições.

    Mais:

    Biden apresenta planos para primeiros 100 dias na presidência
    Joe Biden torce o tornozelo ao brincar com cachorro nos EUA
    De volta para o futuro: Joe Biden deve retomar política de pressão contra Coreia do Norte
    Tags:
    eleições, Estados Unidos, Wisconsin, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar