20:30 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 12
    Nos siga no

    O governo da Guatemala invocou hoje (22) a Carta Democrática Interamericana da Organização dos Estados Americanos (OEA) em resposta às manifestações populares contrárias ao orçamento aprovado pelo Executivo.

    Em uma nota publicada neste domingo (22), "o governo da República da Guatemala informa à nação que o Presidente da República, na qualidade de Chefe de Estado e no exercício de suas atribuições constitucionais, resolveu invocar hoje [22] a Carta Democrática Interamericana contra aos gravíssimos acontecimentos ocorridos nos últimos dias".

    Aprovada em 11 de setembro de 2001 no Peru, a Carta Interamericana implementa uma série de medidas para restaurar a ordem democrática nas nações que a invocam e para garantir o respeito aos direitos humanos fundamentais.

    O governo da Guatemala informa à população em geral.

    O orçamento de cerca de 12,8 bilhões de dólares (cerca de R$ 68,5 bilhões na cotação atual) aprovado na última quinta-feira (19) pela maioria do partido governista no Congresso gerou descontentamento popular, e as manifestações pacíficas levaram a incidentes violentos e ao uso excessivo da força por parte das autoridades.

    "Os atos de violência que, de forma coordenada, alteraram a paz pública colocam em sério risco as instituições democráticas de nosso país, bem como o legítimo exercício do poder por parte das autoridades democraticamente eleitas da República", acrescentou o governo na nota oficial.
    • Protestos antigovernamentais na Guatemala
      Protestos antigovernamentais na Guatemala
      © REUTERS / Luis Echeverria
    • Protestos antigovernamentais na Guatemala
      Protestos antigovernamentais na Guatemala
      © AP Photo / Oliver De Ros
    • Bombeiro tenta apagar as chamas do edifício do Congresso Nacional na Guatemala
      Bombeiro tenta apagar as chamas do edifício do Congresso Nacional na Guatemala
      © REUTERS / Luis Echeverria
    • Bombeiros combatem incêndio na sede do Congresso da Guatemala
      Bombeiros combatem incêndio na sede do Congresso da Guatemala
      © REUTERS / Luis Echeverria
    • Polícia da Guatemala
      Polícia da Guatemala
      © REUTERS / Luis Echeverria
    1 / 5
    © REUTERS / Luis Echeverria
    Protestos antigovernamentais na Guatemala

    O texto faz alusão à invasão ocorrida ontem (21) no Palácio Legislativo por vários manifestantes encapuzados, que atearam fogo no local, um incidente que vem sendo questionado tanto por interlocutores da oposição quanto pela sociedade civil, incluindo diplomatas com experiência na Guatemala.

    "Esses atos não são nada além de um meio pelo qual grupos minoritários buscam forçar um verdadeiro golpe", escreveu o governo guatemalteco no comunicado.

    Segundo a nota, o presidente Alejandro Giammattei entrou em contato com o Secretário-Geral da OEA, Luis Almagro, para fazer valer o diálogo, e manifestou sua disposição para realizar negociações inclusivas que promovam o entendimento entre os diversos setores da sociedade.

    Em uma nota anterior, a OEA reconheceu o direito à manifestação na Guatemala, mas se posicionou contra o vandalismo denunciado pelo governo Giammattei. Os organizadores da manifestação, por sua vez, negam qualquer envolvimento nos atos de depredação e acusam "grupos infiltrados de bandidos" de terem ateado fogo ao Congresso.

    Mais:

    Tornado assustador invade cidade na Guatemala e deixa rastro de destruição (VÍDEO)
    Ladrões roubam avião no México, 'buscam' drogas na Venezuela e batem na Guatemala
    Guatemala expulsa mais de 3.300 imigrantes hondurenhos
    Tags:
    Guatemala, Organização dos Estados Americanos (OEA), Carta Democrática da Organização dos Estados Americanos (OEA), manifestações
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar