06:44 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    5413
    Nos siga no

    A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, aumentou nesta quinta-feira (3) a pressão para que a Justiça anule definitivamente a candidatura de Evo Morales ao Senado.

    O ex-presidente foi indicado por seu partido como candidato a senador pela região de Cochabamba. O Tribunal Superior Eleitoral, no entanto, vetou o seu registro em 19 de fevereiro. 

    Morales então entrou com pedido para a anulação da inabilitação de sua candidatura, recurso que deve ser analisado até o final desta semana por um tribunal de garantias constitucionais de La Paz. Em uma primeira audiência, o caso ficou empatado, por isso a corte convocou um terceiro juiz para deliberar sobre a questão.

    Ao comentar o caso, Áñez disse que o líder indígena só deveria retornar ao país para ser julgado por "abusos cometidos durante sua gestão". 

    "Eu quero dizer a Evo Morales, que se regressar ao país, terá que enfrentar a Justiça por todos os abusos que cometeu durante sua gestão como presidente, por todos os atropelos aos direitos humanos", disse a presidente interina na cidade de Tarija, segundo a agência estatal ABI. 

    "Esperamos que o tribunal freie o Movimento ao Socialismo e Evo Morales", acrescentou. 

    Eleições estão marcadas para 18 de outubro

    Outros candidatos e grupos de direita também pressionam pela confirmação da impugnação do registro de Morales. Após serem adiadas por diversas vezes, as eleições bolivianas foram confirmadas para ocorrer no dia 18 de outubro. 

    O TSE considerou que o ex-presidente não podia ser candidato por Cochabamba por não morar por pelo menos dois anos em seu distrito eleitoral no momento do registro. 

    Morales vive no exílio, primeiro por um breve período no México, depois na Argentina, desde que foi derrubado do poder em novembro de 2019. 

    O seu partido, no entanto, argumenta que seus direitos foram violados e ele não deveria ser prejudicado por ter sido forçado a deixar a Bolívia. 

    Mais:

    Bolívia: sindicatos fecham rodovias em greve contra adiamento das eleições
    Evo Morales alerta para 'novo golpe de Estado' na Bolívia antes de eleições
    Presidente interina da Bolívia convoca diálogo nacional para marcar eleições e encerrar protestos
    Tags:
    Argentina, exílio, América do Sul, Senado, eleições, golpe, governo, Evo Morales, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar