06:08 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    254
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia expressou ante o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) sua preocupação por uma suposta ingerência do governo argentino no processo eleitoral do país andino.

    A denúncia da Bolívia ocorre após o secretário argentino de Obras Públicas, Edgardo Depetri, revelar que se reuniu com o ex-presidente Evo Morales (2006-2019) e se comprometeu "a fortalecer a participação dos imigrantes bolivianos" nas eleições de outubro.

    "O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia, através de nossa Embaixada na Argentina, enviou seu protesto [...] que indica que o governo [argentino] está determinado a influenciar o resultado das eleições", disse a chanceler boliviana, Karen Longaric, em uma nota enviada ao presidente do TSE, Salvador Romero, informou a Agência Boliviana de Informação.

    Longaric acrescentou que a Chancelaria deve velar pelos direitos dos bolivianos no exterior, garantindo que "possam exercer o voto livre e democraticamente".

    Neste sentido, advertiu que a intervenção de funcionários do governo argentino coloca em dúvida a transparência das futuras eleições bolivianas.

    Em 26 de agosto o governo argentino de Alberto Fernández manifestou sua convicção sobre a prática de graves violações dos direitos humanos por parte do atual governo boliviano desde o "golpe de Estado".

    Presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, participa de cerimônia de posse de seu novo ministro da Saúde no palácio presidencial em La Paz, Bolívia, 8 de abril de 2020
    © AP Photo / Juan Karita
    Presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, participa de cerimônia de posse de seu novo ministro da Saúde

    Ao defender a necessidade de restaurar a legitimidade democrática do governo do país andino, o Executivo argentino exigiu às autoridades bolivianas "seguir as recomendações formuladas" pela chefe do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

    Consequentemente, o governo argentino "exorta todos os atores políticos, governamentais e sociais na Bolívia a se comprometerem com o processo eleitoral do próximo 18 de outubro", acrescenta a Chancelaria argentina.

    Mais:

    Presidente interina da Bolívia convoca diálogo nacional para marcar eleições e encerrar protestos
    Evo Morales alerta para 'novo golpe de Estado' na Bolívia antes de eleições
    Tags:
    política, América Latina, Argentina, presidência, eleições, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar