00:58 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    170
    Nos siga no

    Os sindicatos camponeses da Bolívia bloquearam rodovias nesta segunda-feira (3). A ação faz parte das medidas previstas na greve decretada pela categoria contra a decisão de adiar as eleições presidenciais do país. 

    "O povo diz que basta de improvisação e quer um governo democrático. Esse duro protesto exige que o acordo das eleições em 6 de setembro seja cumprido", afirmou o dirigente da Central Operária Boliviana (COB) Juan Carlos Huarachi.

    Bloqueios em cinco dos nove departamentos forçaram a suspensão de viagens rodoviárias entre as principais cidades, incluindo La Paz, Cochabamba e Santa Cruz.

    Os bloqueios foram particularmente intensos na principal via de acesso a La Paz, através das terras altas, na região produtora de coca de Chapare, Cochabamba e nas províncias agrícolas de Santa Cruz.

    Huarachi disse que a greve não impede o diálogo entre os sindicatos e o Tribunal Eleitoral. A greve foi decretada após as autoridades locais decidirem adiar as eleições pela terceira vez. O Tribunal Eleitoral afirma que a medida foi tomada para deter a pandemia de COVID-19

    "Já dissemos ao Tribunal Eleitoral que o novo adiamento não é democrático e, em vez de evitar um problema de saúde, o agravará devido à incapacidade do governo de transição da senhora [presidente] Jeanine Áñez", afirmou Huarachi.

    Áñez, por sua vez, pediu o fim da mobilização e disse que qualquer aglomeração aumentará o números de casos de coronavírus

    Mais:

    Guaidó abre embaixada na Bolívia após país romper com Maduro
    Governo interino da Bolívia adverte sobre 'golpe de Estado' contra Áñez
    Presidente interina da Bolívia testa positivo para COVID-19
    Em meio a tensões políticas, Bolívia estende quarentena contra a COVID-19
    Coronavírus: Bolívia encerra ano escolar e aprova automaticamente todos os alunos
    Tags:
    COVID-19, protesto, adiamento, Evo Morales, eleições, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar