01:35 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    COVID-19 e o mundo no final de julho (43)
    2151
    Nos siga no

    O presidenciável democrata Joe Biden havia alertado em abril deste ano que o presidente dos EUA, Donald Trump, tentaria adiar a eleição presidencial, marcada para o dia 3 de novembro deste ano. Nesta quinta-feira (30), o republicano corroborou a fala do seu principal adversário na luta pela reeleição.

    Durante um evento de arrecadação de fundos on-line em 24 de abril, Biden garantiu que Trump faria tudo o que pudesse para adiar a realização do pleito, como uma forma de aumentar as suas chances de vitória em um ano de pandemia da COVID-19 e forte retração da economia estadunidense.

    "Acordem para o que eu estou dizendo a vocês: acho que ele vai tentar adiar as eleições, de uma maneira ou de outra, e encontrar razões para que não aconteçam na data prevista", afirmou Biden, que foi vice do ex-presidente norte-americano Barack Obama, antecessor de Trump.

    Na mesma ocasião, Biden declarou que o presidente "fará todo o possível para dificultar as pessoas de irem votar", mencionando uma ameaça que Trump fazia à época de vetar um financiamento de emergência para os serviços postais.

    Nesta quinta-feira (30), Trump usou a sua página no Twitter para sugerir o adiamento das eleições – medida que o Executivo não tem o poder de impor, dependendo de um apoio do Congresso dos EUA para isso –, questionando a lisura do pleito justamente por conta dos votos pelos Correios – sem apresentar provas das suas acusações.

    "Com a votação universal por correio (não a votação ausente, o que é bom), 2020 será a eleição mais imprecisa e fraudulenta da história. Será um grande embaraço para os EUA", escreveu Trump. "Atrase a eleição até que as pessoas possam votar de maneira adequada, segura e protegida".
    Presidente dos EUA, Donald Trump, fala sobre envio de agentes federais para várias cidades norte-americanas, na Casa Branca, em Washington, EUA, 22 de julho de 2020
    © REUTERS / Leah Millis
    Presidente dos EUA, Donald Trump, fala sobre envio de agentes federais para várias cidades norte-americanas, na Casa Branca, em Washington, EUA, 22 de julho de 2020

    A ideia do republicano se dá quando os EUA vivem uma das maiores crises de uma geração - com mais de 150 mil mortos na pandemia do novo coronavírus, protestos em todo o país contra a violência policial e o racismo, e pela manhã o país relatou sua pior contração econômica desde o Grande Depressão.

    Os Estados Unidos realizam eleições há mais de 230 anos, inclusive durante a Guerra Civil, a Grande Depressão e duas guerras mundiais. A Segunda Emenda da Constituição dos EUA dá ao Congresso o poder de definir o calendário das eleições, e a 20ª Emenda encerra o mandato de um presidente e um vice-presidente em 20 de janeiro após uma eleição geral.

    A representante democrata dos EUA, Zoe Lofgren, que preside o comitê da Câmara que supervisiona a segurança das eleições, já rejeitou a ideia de um atraso.

    "Sob nenhuma circunstância consideraremos fazê-lo para acomodar a resposta inepta e aleatória do presidente à pandemia de coronavírus, ou dar credibilidade às mentiras e desinformação que ele espalhar sobre a maneira pela qual os americanos podem votar com segurança", afirmou ela.

    Pesquisas de opinião nos EUA apontam a liderança de Biden sobre Trump, faltando pouco mais de três meses para a votação.

    Tema:
    COVID-19 e o mundo no final de julho (43)

    Mais:

    'Outras coisas': Trump revela o que fará se perder as eleições de 2020 para Biden
    Pesquisador aponta 'erro básico' de Bolsonaro que trará problemas se Biden vencer Trump
    Caso Biden vença, Bolsonaro pode ter problemas com EUA e China ao mesmo tempo, diz analista
    Tags:
    COVID-19, adiamento, política, fraude eleitoral, fraude, eleição, reeleição, Joe Biden, Donald Trump, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar