20:52 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2183
    Nos siga no

    Em decisão histórica, Senado do Mississippi aprovou neste domingo (28), por 37 votos a 14, retirada de um emblema confederado de sua bandeira, símbolo associado ao passado escravagista dos EUA.

    Mais cedo, a Câmara dos Representantes do estado também aprovara a remoção do símbolo, por 91 votos contra 23. 

    O Mississippi é o último dos estados estadunidenses a ter um emblema confederado em sua bandeira. Os congressistas decidiram que um novo estandarte deverá ser criado por uma comissão - obrigatoriamente sem o símbolo confederado, mas com as palavras In God We Trust (Em Deus Confiamos).

    Nas eleições de 3 de novembro, os cidadãos do estado vão votar se aprovam ou não a nova bandeira. 

    Governador republicano sancionará lei

    O governador republicano Tate Reeves afirmou que iria sancionar a medida. No Mississippi, 38% da população é negra. 

    Os Estados Confederados da América reuniram, a partir de 1861, um grupo de estados do sul dos EUA contrários à abolição da escravidão, o que levou o país a uma guerra civil.

    O emblema sempre foi fortemente associado ao racismo e às políticas segregacionistas que vigoraram por décadas nos Estados Unidos. A bandeira do Mississippi foi criada em 1894, quase 30 anos depois do fim da Guerra de Secessão.

    Derrubada de estátuas e símbolos

    Desde a morte do afro-americano George Floyd em Minneapolis, em 25 de maio, uma onda de protestos antirracistas surgiu nos EUA e em vários outros países do mundo, levando a derrubada ou a retirada de estátuas e símbolos considerados racistas de instituições e locais públicos. 

    Em 21 de junho, o Museu de História Natural de Nova York disse que iria remover de sua entrada uma estátua considerada racista do ex-presidente Theodore Roosevelt.

    Estátua de Theodore Roosevelt em frente ao Museu de História Natural de Nova York
    © AP Photo / Mary Altaffer
    Estátua de Theodore Roosevelt na entrada do Museu de História Natural de Nova York mostra ex-presidente andando a cavalo, com indígena e homem negro em pé ao seu lado

    No sábado (27), a Universidade de Princeton anunciou que iria retirar o nome do ex-presidente Woodrow Wilson, criticado por suas ideias segregacionistas, de sua escola de políticas públicas e relações internacionais. 

    Mais:

    Em Paris, polícia usa gás lacrimogêneo em protesto contra o racismo e violência policial (FOTOS)
    Londres: protesto contra o racismo tem 113 pessoas detidas e 23 policiais feridos (FOTOS)
    Manifestantes contra o racismo fazem ato em SP (VÍDEO)
    Tags:
    Congresso, negros, supremacistas brancos, bandeira, protestos, guerra, racismo, EUA, Mississippi
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar