10:32 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    12313
    Nos siga no

    O presidente norte-americano Donald Trump retirou unilateralmente o país do acordo nuclear JCPOA com o Irã em 2018 e se recusou a levantar as posteriores sanções em meio à pandemia do coronavírus.

    Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, está propondo à sua administração para apresentar argumentos legais em como os Estados Unidos ainda fazem parte do acordo nuclear de 2015 com o Irã, embora Donald Trump tenha revogado a participação dos EUA em 2018, informou no domingo (26) o jornal The New York Times.

    Segundo o relato, as medidas poderiam ser parte de "uma estratégia complexa para pressionar o Conselho de Segurança das Nações Unidas a estender o embargo de armas a Teerã", após o término da atual proibição em outubro, ou uma medida que possa resultar em sanções ainda mais duras para o Irã.

    Segundo o alegado plano, a Casa Branca afirmaria que, legalmente, os EUA ainda fazem parte do acordo nuclear de 2015 com o Irã, e essa resolução poderia contornar a oposição da Rússia e da China.

    Isso poderia significar que, caso o embargo de armas não seja renovado, os EUA poderiam aplicá-lo a partir da sua posição de signatário, permitindo que a Casa Branca restabeleça as sanções impostas a Teerã antes da assinatura do acordo de 2015.

    "Não podemos permitir que a República Islâmica do Irã compre armas convencionais em seis meses", disse o secretário de Estado. "O presidente Obama nunca deveria ter concordado em acabar com o embargo de armas da ONU."

    "Estamos preparados para exercer todas nossas opções diplomáticas para garantir que o embargo de armas permaneça no Conselho de Segurança da ONU", declarou Pompeo, de acordo com The New York Times.

    Hostilidade entre os dois países

    Anteriormente, Pompeo exortou a ONU a estender o embargo de armas contra o Irã, criticando Teerã por seu recente lançamento espacial, chamando seu programa espacial de "nem pacífico nem inteiramente civil". Ele também sugeriu que "jamais um país tentou obter a capacidade de mísseis balísticos intercontinentais a não ser com o propósito de lançar armas nucleares".

    Na quarta-feira (22), Trump anunciou ter dito que a Marinha dos EUA deveria "abater e destruir todos e quaisquer barcos de guerra iranianos se hostilizarem nossos navios no mar", uma ação que levou o chefe do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC), Hossein Salami, a retribuir com a ameaça de uma "resposta esmagadora" que se seguiria a ações hostis contra navios iranianos.

    O Irã e outros países, juntamente com alguns legisladores norte-americanos, têm instado repetidamente a administração Trump a levantar suas sanções, pois elas tornam extremamente difícil para Teerã e países vizinhos retardar a propagação da pandemia da COVID-19.

    Proprietário de loja têxtil com máscara facial protetora usando seu celular em meio do surto da doença do coronavírus (COVID-19), após reabertura de centros comerciais e bazares em Teerã, Irã, 20 de abril de 2020
    © REUTERS / Wana News Agency / Ali Khara
    Proprietário de loja têxtil com máscara facial protetora em meio ao surto do coronavirus no Irã

    A administração atual, ao invés disso, insistiu que as sanções não impedem o Irã de receber ajuda humanitária ou suprimentos médicos.

    As relações entre o Irã e os EUA pioraram após a retirada por Trump do país, em maio de 2018, do acordo nuclear Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), assinado em 2015. As tensões se intensificaram após o assassinato do general Qassem Soleimani em janeiro de 2020, por ordem do presidente norte-americano.

    Mais:

    Militares iranianos são ordenados a atacar navios e tropas dos EUA que ameaçarem Irã
    Comprando aviões de reabastecimento dos EUA, Israel poderá alcançar território do Irã, diz mídia
    Sanções dos EUA são sinal de fraqueza diplomática, diz MRE iraniano
    Tags:
    Conselho de Segurança da ONU, The New York Times, China, Rússia, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), COVID-19, Donald Trump, Mike Pompeo, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar