17:29 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)
    9312
    Nos siga no

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que uma série de sanções americanas não impede que a ajuda humanitária chegue ao Irã, mesmo quando a ONU e os grupos de direitos humanos dizem que as sanções estão prejudicando o sistema de saúde iraniano.

    Em uma entrevista na Casa Branca na quarta-feira (8), Pompeo declarou que sanções norte-americanas não afetam a área da saúde, acrescentando que os EUA se ofereceram para enviar ajuda, mas o Irã recusou.

    "Eu ouvi pessoas falando sobre sanções. O mundo deveria saber que não há sanções que impeçam a assistência humanitária, suprimentos médicos e produtos farmacêuticos de ir ao Irã", disse.

    Teerã repetidamente criticou a campanha de pressão dos EUA - que torna efetivamente impossíveis as transações bancárias necessárias para comprar suprimentos vitais do exterior - considerando-a uma "desgraça histórica" e "terrorismo econômico" que apenas complica os esforços para conter a pandemia da COVID-19 em rápida evolução.

    A fala de Pompeo ocorre quando o Departamento de Estado protestou contra o pedido do Irã de um empréstimo de emergência de US$ 5 bilhões junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para combater o coronavírus, que até agora infectou mais de 64 mil iranianos e matou quase quatro mil.

    Depois que o chefe do Banco Central do Irã, Abdolnaser Hemmati, escreveu pedindo os fundos urgentemente necessários devido à "ampla prevalência" da COVID-19 dentro do Irã, Washington insistiu que é "contra a alocação de qualquer empréstimo ao Irã" e que o país possui recursos suficientes para combater o coronavírus por conta própria.

    Como medida de prevenção contra o coronavírus, funcionários desinfetam metrô da capital do Irã
    © AP Photo / Ebrahim Noroozi
    Como medida de prevenção contra o coronavírus, funcionários desinfetam metrô da capital do Irã

    Alguns dos aliados europeus de Washington contornaram as sanções dos EUA e enviaram suprimentos médicos ao Irã nesta semana. Questionado sobre isso, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que as entregas "não o incomodam", mas descartou o levantamento ou a flexibilização das sanções.

    As Nações Unidas e outros órgãos humanitários pediram repetidamente a Washington que diminua suas sanções em meio à crise da saúde, com a comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, alertando que elas estão "impedindo os esforços médicos" e podem levar ao "colapso" do sistema de saúde do Irã.

    Na semana passada, um grupo de 24 ex-diplomatas sêniores - incluindo quatro chefes aposentados da OTAN - também pediu aos EUA que reduzissem suas sanções contra a República Islâmica, argumentando que poderia salvar "centenas de milhares de vidas" lá.

    "A pressão máxima dos EUA por meio de sanções ao Irã compromete o desempenho do sistema de saúde iraniano à medida que o surto do Irã passa para o segundo mês", afirmaram diplomatas europeus e americanos em comunicado no domingo.

    Com ou sem pandemia, Washington se recusou a relaxar sua política sobre o Irã ou a Venezuela, onde o coronavírus também se firmou nas últimas semanas. O Departamento do Tesouro dos EUA aplicou sanções adicionais a várias empresas iranianas no final de março - acusando-as de ajudar o terrorismo - enquanto o Departamento de Justiça indiciou recentemente o presidente venezuelano Nicolás Maduro por acusações de "narcoterrorismo" quando a Marinha dos EUA embarcou em uma missão antidrogas na costa do país caribenho.

    Tema:
    Mundo lidando com COVID-19 no início de abril de 2020 (153)

    Mais:

    Mortos pela COVID-19 no Irã ultrapassam os 3.000 e presidente culpa os EUA
    Biden pede menos sanções dos EUA ao Irã: não faz sentido agravar fracasso com crueldade
    Irã desenvolve seu próprio sistema de detecção rápida da COVID-19
    Tags:
    direitos humanos, Nicolás Maduro, Michelle Bachelet, Venezuela, saúde, pandemia, sanções, novo coronavírus, COVID-19, Donald Trump, Mike Pompeo, ONU, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar