04:51 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    620
    Nos siga no

    Os problemas com os aviões do modelo 737 Max vão custar à empresa americana Boeing pelo menos US$ 18,7 bilhões (R$ 86,8 bilhões), informou o canal de notícias americano CNN.

    Em janeiro, as perdas aproximadas reportadas pela Boeing aos investidores foram de US$ 8,3 bilhões de dólares, correspondentes a indenizações aos clientes da companhia aérea, e outros US$ 6,3 bilhões, referentes ao aumento dos custos de melhoria da aeronave.

    A empresa norte-americana informou posteriormente que o custo de melhoria da aeronave aumentará em mais US$ 4 bilhões.

    Além disso, a Boeing criou um fundo de US$ 100 milhões para indenizar as famílias das vítimas de acidentes, embora, como referido pelo canal, o custo dos honorários de advogados possa aumentar ainda mais o montante.

    Em outubro de 2019, um grupo de investigadores internacionais da JATR (Autoridades Conjuntas de Auditoria Técnica) identificou falhas significativas na certificação da aeronave 737 MAX, aprovada pela Boeing e pela Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA).

    Série de acidentes

    De acordo com os especialistas, não foram fornecidas à FAA informações importantes sobre a correção do sistema MCAS de estabilização do avião e o próprio regulador deu poderes excessivos à Boeing no processo de certificação.

    No dia 29 de outubro de 2018, uma aeronave Boeing 737 Max 8 da companhia aérea low cost indonésia Lion Air, que havia decolado de Jacarta para uma ilha perto de Sumatra, caiu no mar matando 189 pessoas a bordo. Em março de 2019, uma aeronave semelhante da Ethiopian Airlines também caiu, causando a morte de 157 pessoas.

    Funcionários trabalhando com uma equipe de investigação no local da queda da aeronave Boeing 737 MAX da Ethiopian Airlines, 13 de março de 2019
    © AFP 2020 / Tony Karumba
    Funcionários trabalhando com uma equipe de investigação no local da queda da aeronave Boeing 737 MAX da Ethiopian Airlines, 13 de março de 2019

    Após os acidentes, cerca de 20 países fecharam o seu território às aeronaves deste modelo, muitas companhias aéreas suspenderam a operação do Boeing 737 Max 8. Nos Estados Unidos, a FAA introduziu uma proibição à operação deste modelo.

    No decurso da investigação das causas dos acidentes, foram identificadas falhas no funcionamento no sistema MCAS. A Boeing está trabalhando para corrigir esses problemas, tendo atualizado seu programa de treinamento de pilotos.

    Mais:

    Congresso dos EUA aponta falhas e define Boeing 737 Max como 'defeituoso e inseguro'
    Lucro ou segurança? Boeing deve escolher se quiser evitar novas catástrofes, dizem engenheiros
    Boeing poderia ter enganado intencionalmente regulador sobre falha no 737 MAX, diz NYT
    Tags:
    Sistema de Aumento de Características de Manobra (MCAS), acidente aéreo, Boeing 737 MAX, Boeing
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar