18:39 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1091
    Nos siga no

    Além das "falhas técnicas de design" e de uma "cultura de ocultamento" da Boeing, os investigadores destacaram a supervisão "insuficiente" por parte do organismo regulador.

    Uma combinação de falhas técnicas, "cultura de ocultamento" e supervisão "extremamente insuficiente" por parte das autoridades resultou em acidentes aéreos de dois aviões Boeing 737 Max, em outubro de 2018 e março de 2019, deixando 346 vítimas mortais.

    Esta conclusão do relatório preliminar publicado pelo Comitê de Transporte do Congresso norte-americano define o avião Boeing 737 Max como "defeituoso e inseguro".

    Em um relatório de 13 páginas, o comitê destaca que o projeto do avião foi afetado por "falhas técnicas de projeção, falta de transparência tanto em relação aos órgãos reguladores como aos clientes", bem como por "esforços para ocultar informação sobre a operação da aeronave".

    A "enorme pressão financeira" sobre a Boeing e, posteriormente, sobre o programa 737 Max para competir com o avião A320neo da Airbus, fez com que a empresa norte-americana se esforçasse por "reduzir os custos, manter o calendário do programa e não desacelerar a linha de produção do 737 Max".

    Em diversos casos, o desejo de cumprir com estes objetivos "pôs a segurança dos passageiros em perigo", segundo os investigadores. Além disso, a Boeing fez "suposições errôneas" sobre as tecnologias críticas do 737 Max, especialmente o sistema automatizado de estabilização MCAS, cujo mau funcionamento foi determinante nos dois acidentes aéreos.

    Em diversos "casos críticos", a empresa ocultou "informação crucial" da Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA), de seus clientes e dos pilotos do 737 Max.

    O relatório também critica a FAA, cuja revisão, foi extremamente "insuficiente" e que "não cumpriu com seu dever de identificar os problemas de segurança e garantir que fossem abordados adequadamente" durante o processo de certificação.

    "A combinação destes problemas condenou os voos da Lion Air e Ethiopian Airlines", afirmam os investigadores.

    O fato de diversos erros técnicos de projeção ou certificação terem sido considerados "em conformidade" pela FAA ressalta "uma necessidade crucial de reformas legislativas e reguladoras", destaca o relatório, ressaltando que desenvolver um avião comercial que cumpre os regulamentos da FAA, mas que é "basicamente defeituoso e inseguro", deixa claro que o "sistema de supervisão da aviação necessita urgentemente de mudanças".

    Mais:

    Canadá entra com ação judicial de US$ 1,1 bilhão contra Irã por abater Boeing, revela mídia
    VÍDEO mostra Boeing 737 esmagar rebocador em aeroporto da Tailândia
    Boeing deixa de receber pedidos de compra pela 1ª vez desde 1962
    Tags:
    EUA, FAA, avião, acidente aéreo, acidentes, falha, Boeing, Boeing 737, Boeing
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar