03:14 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    382
    Nos siga no

    O novo presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse nesta terça-feira que buscará boas relações com o Brasil, apesar do recente atrito que teve com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que não foi à sua posse.

    "Vamos manter a irmandade histórica de nossos povos, que vai além de qualquer diferença pessoal entre os que governam no momento. Vamos avançar juntos na construção de um progresso compartilhado", declarou antes da sessão plenária do Congresso argentino.

    Fernández prometeu ainda fortalecer o Mercosul e apostar na integração regional.

    "Vamos fortalecer o Mercosul e a integração regional", comentou ao lado da nova vice-presidente, Cristina Fernández Kirchner.

    O novo presidente da Argentina, que governará os próximos quatro anos, afirmou também que seu governo apostará "em uma América Latina unida", onde a paz vai prevalecer.

    Na região, a Argentina espera manter com seu principal parceiro comercial, o Brasil, uma integração tecnológica e produtiva.

    O Mercosul é formado pela Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela (atualmente suspensa) e vários Estados associados, incluindo a Bolívia, que está em processo de adesão como membro titular.

    Malvinas e direitos humanos

    Em um alerta à comunidade internacional, Fernández ponderou que "a Argentina deve ser integrada à globalização, preservando a produção e o trabalho nacionais".

    Argentinos acompanham o juramento de posse do presidente Alberto Fernández em Buenos Aires
    © REUTERS / Ricardo Moraes
    Argentinos acompanham o juramento de posse do presidente Alberto Fernández em Buenos Aires

    Na política externa, seu Executivo trabalhará para avaliar a integração global e plural "porque a Argentina é uma terra de relações maduras com todos os países". Dentro dessa estrutura, os investimentos estrangeiros devem "aprofundar os processos tecnológicos que permitem a criação de empregos".

    O novo chefe de Estado também prometeu respeitar o Acordo de Paris e desenvolver fontes renováveis.

    Durante seu discurso no Congresso, Fernández também reivindicou soberania sobre as Ilhas Falkland, chamadas pelos argentinos de Malvinas e ocupadas pelo Reino Unido desde 1833.

    No Dia Internacional dos Direitos Humanos, seu governo avançou seu compromisso "com os direitos do homem em qualquer lugar do mundo", continuou Fernández.

    O novo governo argentino tem mandato até 10 de dezembro de 2023.

    Mais:

    'Tarifas de Trump podem unir Brasil e Argentina apesar das diferenças', segundo analista
    Hezbollah é terrorista ou não? Novo presidente argentino vai decidir
    Especialista descarta articulação entre Brasil e Argentina contra EUA
    Tags:
    kirchnerismo, peronismo, política, relações bilaterais, Mercosul, diplomacia, Jair Bolsonaro, Mauricio Macri, Cristina Kirchner, Alberto Fernández, Brasil, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar