17:04 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1120
    Nos siga no

    O embaixador da China no Brasil conta quais as expectativas do gigante asiático para a XI Cúpula do BRICS, que deve reunir os chefes de Estado da Rússia, China, Índia, África do Sul e Brasil nesta quarta-feira (13) em Brasília.

    Em entrevista à Xinhua, o embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, disse acreditar que os BRICS poderão se fortalecer nos próximos anos ao se contrapor ao unilateralismo e ao protecionismo.

    Nos últimos dez anos, a cooperação entre os países do bloco foi um importante indutor de desenvolvimento econômico, inaugurando uma "era de ouro" para os BRICS.

    Para o embaixador, a onda de unilateralismo e protecionismo comercial exacerbou uma situação global que já se encontrava tensa. Essas tendências trouxeram incerteza e instabilidade para a economia mundial como um todo.

    Neste contexto, os BRICS devem defender os interesses dos países emergentes e em desenvolvimento:

    "Os BRICS são capazes de avançar com uma posição comum e falar coletivamente com a comunidade global, protegendo os interesses compartilhados dos países em desenvolvimento, em particular dos mercados emergentes", disse o embaixador.

    Apesar da volatilidade da situação internacional, os BRICS já deram provas de que estão prontos para aprofundar a cooperação, como expressa a declaração dos líderes feita após a reunião às margens da Cúpula do G-20 de Osaka, no Japão, em junho deste ano.

    'Eles foram unânimes ao expressar ao mundo a sua posição comum em favor do multilateralismo e da autoridade das Nações Unidas, em favor da facilitação do livre comércio e investimento e fomentando a construção de uma economia global aberta, inovadora e compartilhada", explicou Yang.

    O embaixador acredita que a próxima cúpula do BRICS deve inaugurar uma nova "década de ouro" de cooperação no bloco.

    Todos os cinco presidentes do BRICS se encontram às vésperas da cúpula do G20, Osaka, Japão
    © Sputnik / Mikhail Klimentev / Klimentev
    Todos os cinco presidentes do BRICS se encontram às vésperas da cúpula do G20, Osaka, Japão

    Yang lembrou que a mais recente visita do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, à China gerou resultados muito positivos. Na ocasião, os líderes do Brasil e da China concordaram em aprofundar a parceria estratégica entre os dois países.

    XI Cúpula do BRICS

    Nos dias 13 e 14 de novembro os líderes dos BRICS devem se reunir em Brasília para a XI cúpula do bloco. O Brasil preside as atividades do grupo até o final deste ano, quando entrega o posto para a Rússia.

    O presidente da China, Xi Jinping, ganha camisa do Flamengo de presente do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em Pequim, China, 25 de outubro de 2019.
    © REUTERS / Yukie Nishizawa
    O presidente da China, Xi Jinping, ganha camisa do Flamengo de presente do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em Pequim, China, 25 de outubro de 2019.

    O encontro em Brasília irá reunir os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da China, Xi Jinping, e os primeiros-ministros da África do Sul, Cyril Ramaphosa, e da Índia, Narenda Modi.

    De acordo com o Palácio do Planalto, o presidente Bolsonaro também realizará reuniões bilaterais com cada um dos líderes.

    Mais:

    Em dia de julgamento sobre 2ª instância, segurança dos BRICS também vira tema no STF
    4º Fórum de Mídia do BRICS: agências Sputnik e Xinhua assinam acordo de cooperação em São Paulo
    Sputnik lidera criação de plataforma do BRICS de combate às 'fake news'
    Tags:
    BRICS, África do Sul, Rússia, China, Índia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar