15:15 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    CBERS 04A

    Bolsonaro dá sinal positivo para parceria espacial Brasil-China, segundo coordenador do INPE

    © Foto / INPE/Divulgação
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    16352
    Nos siga no

    A parceria de longa data do Brasil com a China na área espacial deve continuar, segundo coordenador do INPE, que comemorou com Sputnik Brasil o iminente lançamento do satélite CBERS-04A.

    O satélite CBERS-04A, desenvolvido pelo INPE em parceria com a China, iniciou o seu caminho para a base de lançamento. Ele será capaz de gerar imagens que auxiliem no monitoramento da Amazônia.

    O satélite CBERS-04A é o sexto desenvolvido em parceria com a China, cujo programa é resultado do primeiro acordo de cooperação em alta tecnologia firmado entre dois países no contexto das relações internacionais Sul-Sul e levou quatro anos para ser construído com custo de R$ 190 milhões ao Brasil. Ele será capaz de gerar imagens de 16 metros de resolução, com reprodução de imagem de um mesmo local a cada 31 dias.

    Marco Antônio Chamon, coordenador-geral de Engenharia e Tecnologia Espacial do INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - destacou para Sputnik Brasil que o satélite é fruto de uma parceria que tem mais de 30 anos. A cooperação "foi assinada formalmente em 88 e as negociações começaram dois anos antes".

    Segundo o engenheiro, o programa espacial brasileiro estava engatinhando na época e o país buscava parcerias internacionais com partilha de custos, de riscos e com possibilidade de trazer salto tecnológico. Uma parceria mais simétrica, em comparação com os países do primeiro mundo, pois "em 88 a China não era a China de hoje".

    "Ou seja, naquela época essa parceria era mais interessante para nós, porque havia um equilíbrio um pouco maior entre os dois parceiros e haveria uma possibilidade bem maior de participação efetiva nossa - não só no aprendizado de tecnologias - mas de desenvolvimento da nossa indústria efetivamente fazendo um satélite conjunto", explicou o especialista.

    O coordenador do INPE acrescentou que o Brasil tinha 30% de participação no projeto referente aos satélites CBERS 1 e 2. Já nas próximas versões a parceria passou a ser de 50%, como acontece até hoje.

    Além disso, "a aproximação da China também era importante de um ponto de vista geopolítico, pois era uma aproximação que chamam de sul-sul, fora dos grandes eixos de países desenvolvidos, o que também nos favorecia", acrescentou Chamon.

    Satélite CBERS 04A
    © Foto / INPE/Divulgação
    O satélite CBERS 04A foi transportado das instalações da CAST, Pequim, para a base de lançamento de Taiyuan (TSLC)

    No início de agosto, o presidente Jair Bolsonaro contestou os dados do desmatamento divulgados pelo monitoramento ambiental do INPE, que é vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia. Dias depois, o diretor do Instituto, Ricardo Magnus Osório Galvão, foi exonerado do cargo. No entanto, segundo o interlocutor da Sputnik Brasil, a função do satélite, além de não se limitar ao Brasil, é somente a de disponibilizar as imagens.

    "O satélite tem capacidade para isso. O uso das imagens foge um pouco da atribuição do INPE [...] elas são distribuídas no Brasil todo e no mundo todo. E o uso da imagem fica por conta do usuário", destacou o entrevistado.

    "Todas as imagens do CBERS de qualquer lugar do mundo, do Brasil, da China, ou outra região, são disponíveis livremente para qualquer pessoa do mundo. Qualquer um pode ver no site do INPE, por exemplo, e baixar qualquer uma das imagens que já foram tiradas".

    Segundo o pesquisador, o satélite CBERS-4, que está no ar hoje, está sendo usado para alerta de desmatamento, e passa as imagens para o Ibama. O novo satélite continuará realizando essa tarefa, além de transmitir imagens para outros órgãos e agências do governo.

    De todo modo, parece que a política somente passou raspando no programa e as expectativas são de que a parceria com a China continue.

    "Já houve sinalização da Agência Espacial Brasileira e da própria Presidência da República de que a parceria não vai se encerrar", disse Marco Antônio Chamon.

    O que pode mudar é o foco em um ou outro projeto no âmbito da cooperação bilateral.

    "Temos outras atividades com a China além dos satélites. Trabalhamos na área de processamento de imagens e na área de clima espacial [...] mas parceria não vai acabar", assegurou o coordenador-geral de Engenharia e Tecnologia Espacial do INPE.

    Mais:

    Marcos Pontes anuncia militar como novo diretor interino do INPE
    Parceria com a Rússia pode fazer Brasil pular etapas na corrida espacial
    Satélite italiano monitora campos de petróleo no mar brasileiro
    Tags:
    cooperação bilateral, China, Brasil, programa espacial, satélite, CBers-4A, INPE, análise
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar