07:37 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestação contra Evo Morales na Bolívia em 9 de novembro de 2019.

    Lula, Maduro, e Fernández denunciam 'golpe de Estado' na Bolívia; México oferece asilo

    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    92610
    Nos siga no

    Líderes alinhados à esquerda da América Latina reagiram neste domingo (10) à renúncia do presidente da Bolívia, Evo Morales, que deixou o cargo após pressão das Forças Armadas e de protestos populares.

    Lula classificou o incidente como um "golpe de Estado" e disse no Twitter: "É lamentável que a América Latina tenha uma elite econômica que não saiba conviver com a democracia e com a inclusão social dos mais pobres".

    ​Já o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse em seu Twitter que "condena categoricamente o golpe de Estado" na Bolívia. "Os movimentos sociais e políticos do mundo se declaram em mobilização para exigir a preservação da vida dos povos originários bolivianos vítimas do racismo", afirmou Maduro.  

    ​"Na Bolívia, um golpe de estado foi consumado como resultado das ações conjuntas de civis violentos, motim policial e passividade do exército. É um golpe perpetrado contra o Presidente Evo Morales, que pedia um novo processo eleitoral. Nós, defensores das instituições democráticas, repudiamos a violência desencadeada que impediu Evo Morales de concluir seu mandato presidencial e alterou o curso do processo eleitoral", disse o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, no Twitter.

    ​Fernández assume o cargo em 10 de dezembro. A possibilidade de Morales ir para a Argentina após renunciar chegou a circular nas redes sociais, mas o agora ex-presidente esclareceu que deve permanecer na Bolívia.

    México oferece asilo

    O ministro das relações exteriores do México, Marcelo Ebrard, também se pronunciou no Twitter sobre os incidentes na Bolívia e disse que "há uma operação militar em curso" e "golpe não". O chanceler mexicano também ofereceu asilo a Morales. 

    "O México, de acordo com sua tradição de asilo e não intervenção, recebeu 20 personalidades do executivo e legislativo boliviano na residência oficial em La Paz, por isso decidimos também oferecer asilo a Evo Morales", escreveu Ebrard.

    Mais:

    Relatório preliminar da OEA pede novas eleições na Bolívia
    Evo Morales anuncia novas eleições na Bolívia
    Forças Armadas da Bolívia pedem renúncia de Evo Morales (VÍDEO)
    Evo Morales renuncia à Presidência da Bolívia
    Crise na Bolívia mostra necessidade de voto impresso, diz Bolsonaro
    Tags:
    Alberto Fernández, Nicolás Maduro, Lula, Evo Morales, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar