00:48 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Método Tático de Resistência Revolucionária venezuelano

    Como povo venezuelano se prepara para possível intervenção militar (Fotos, Vídeos)

    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Américas
    URL curta
    21278

    Método Tático de Resistência Revolucionária venezuelano traz um complexo de exercícios aos civis para prepará-los para os piores cenários no território nacional. Integrantes revelaram a importância de fazer parte do método.

    "A continuidade da rotina deve continuar em caso de guerra." Astrid Villalobos tem 56 anos e usa um boné vermelho do Partido Socialista Unido da Venezuela. "Poder ir ao trabalho, aos centros de assistência social, levar as crianças à escola", disse ela à Sputnik Mundo.

    Ela e centenas, milhares, de venezuelanos estão se preparando na Venezuela para lutar e se defender contra uma possível invasão militar.

    Astrid Villalobos tem 56 anos e participa dos treinamentos populares do Método Tático de Resistência Revolucionária
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Astrid Villalobos tem 56 anos e participa dos treinamentos populares do Método Tático de Resistência Revolucionária

    O Método Tático de Resistência Revolucionária consiste na aprendizagem de uma série de técnicas militares adaptadas para todos os tipos de civis sem formação "para defender a pátria".

    Todos os sábados, em grupos de 200 pessoas, eles se reúnem em uma quadra adaptada para aulas em uma escola agroecológica no bairro de Caricuao. Trata-se de 13 "testes" que devem ser aprendidos, praticados e superados.

    Leais sempre. Traidores Nunca: esse lema orienta o treinamento do Método Tático de Resistência Revolucionária
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    "Leais sempre. Traidores Nunca": esse lema orienta o treinamento do Método Tático de Resistência Revolucionária

    O primeiro a ser ensinado é um pouco de teoria de guerra, que é explicada em uma barraca improvisada. Como se mover, como agir, como se proteger e em quem confiar se houver uma guerra na Venezuela são uns dos pontos a serem ensinados.

    Eles aprendem primeiros socorros, técnicas de comunicação, como reconhecer plantas venenosas e não venenosas, técnicas de autodefesa, como identificar um inimigo, como construir uma armadilha, como se camuflar ou mesmo como disparar com armas ou como resistir a efeitos de gás lacrimogêneo.

    Civis treinados no Método Tático de Resistência Revolucionária aprendem a armar e a disparar
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Civis treinados no Método Tático de Resistência Revolucionária aprendem a armar e a disparar

    Astrid mora na Paróquia da Candelária, que é um bairro no centro de Caracas, conhecida por suas tabernas espanholas e períodos de violência de rua causados pelos protestos da oposição em 2014 e 2017.

    "Recebemos treinamento para defender o nosso território caso tenhamos outro episódio semelhante", diz Astrid.

    Técnicas de combate, como mover-se, como saber onde parar em uma guerra: estas coisas são aprendidas no Método Táctico de Resistência Revolucionária
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Técnicas de combate, como mover-se, como saber onde parar em uma guerra: estas coisas são aprendidas no Método Táctico de Resistência Revolucionária

    Seu corpo e sua idade não são os de uma jovem capaz de tudo, mas ela contorna o percurso cheio de obstáculos com leveza. Ela acaba de saltar um pneu de pelo menos 50 centímetros de altura antes de explicar que "há coisas que obviamente não podem ou não podem ser feitas tão facilmente como os homens ou os jovens".

    Diante da possibilidade de uma invasão estrangeira ou agitação interna, civis venezuelanos aprendem através do Método Tático de Resistência Revolucionária, desde primeiros socorros até defesa pessoal

    "Mas não importa, porque qualquer um pode ajudar; não é só trabalho físico. Podemos dar instruções ou lidar com informações de inteligência para a aplicação da lei", diz ela.

    Astrid descreve o protocolo de ação que estão aprendendo no caso de um ataque, seja por um agente estrangeiro – uma invasão americana – ou pela direita opositora.

    O Método Tático de Resistência Revolucionária se baseia em ter patriotas cooperantes em todos os territórios, explica o major Jesús Orozco, do Exército venezuelano
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    O Método Tático de Resistência Revolucionária se baseia em ter "patriotas cooperantes em todos os territórios", explica o major Jesús Orozco, do Exército venezuelano

    "Temos patriotas cooperantes em todos os territórios e, no caso de alguma coisa acontecer, eles dariam um aviso prévio especificando qual é a situação irregular. A partir daí, devemos avaliar quantos indivíduos são eles e quantos somos nós, que armas manejam [...] Tiramos fotografias e vídeos e os passamos para as forças de segurança do Estado. Trabalhamos sempre em conjunto com eles", descreve.

    Leais à Revolução Bolivariana, muitos civis participam do treinamento militar do Método Tático de Resistência Revolucionária em defesa do governo venezuelano

    A Candelária tem edifícios altos e seus telhados são uma arma de guerra a favor do povo. "De lá vemos tudo", diz a possível lutadora venezuelana Astrid.
    O major do Exército Jesús Orozco está encarregado de supervisionar a prática em Caricuao. É brincalhão quando relaxa, mas quando fala com seus aprendizes civis, não é nada além de militar.

    O Chavismo percebe a importância de ter ao seu lado um povo fiel, crente e respeitoso de um legado que lhe deu identidade e recursos para ter consciência de classe e socialismo
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    O Chavismo percebe a importância de ter ao seu lado um povo fiel, crente e respeitoso de um legado que lhe deu identidade e recursos para ter consciência de classe e socialismo

    "A Venezuela não vai se ajoelhar para o império. Estamos convencidos de que somos e seremos um país livre, porque somos herdeiros da glória de Bolívar", afirma Jesús Orozco.

    O major sabe que estas pessoas são uma arma de destruição em massa. Enquanto o mundo os subestima por causa da aparência ou idade, o chavismo percebe a importância de ter ao seu lado um povo fiel, crente e respeitoso de um legado que lhes deu identidade e recursos para ter consciência de classe e socialismo.

    "As pessoas não sabem que uma mulher de 50 anos é mais perigosa do que o avião ou tanque de guerra mais poderoso do mundo", diz o oficial. "Porque um tanque de guerra ou um avião emite calor e com qualquer sistema de defesa pode ser destruído. Mas uma pessoa em uma casa é capaz de ter um interruptor, por exemplo, e esse interruptor pode ser dirigido e causar uma explosão."

    Se houver uma intervenção militar estrangeira, os estrangeiros podem pisar na Venezuela, mas não vão sair daqui, diz o major do Exército Jesús Orozco
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Se houver uma intervenção militar estrangeira, os estrangeiros "podem pisar na Venezuela, mas não vão sair daqui", diz o major do Exército Jesús Orozco

    A chave para entender por que a Venezuela e o governo de Nicolás Maduro não caem é precisamente o povo humilde, uma massa poderosa, chavista e leal aos 20 anos da Revolução apesar de tudo.

    O major Orozco sabe quem são esses vizinhos que vieram treinar em Caricuao com suas piores roupas para se mancharem livremente na lama: "Eles [os países estrangeiros, os EUA, a oposição] podem pisar na Venezuela, mas não vão sair daqui."

    Há um povo humilde, uma massa poderosa, chavista e leal aos 20 anos da Revolução Bolivariana, capaz de dar o seu melhor em caso de intervenção estrangeira
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Há um povo humilde, uma massa poderosa, chavista e leal aos 20 anos da Revolução Bolivariana, capaz de dar o seu melhor em caso de intervenção estrangeira

    "Estamos dispostos a dar a nossa vida pelo nosso país e quando entrarem aqui encontrarão um povo obediente. Não se enganem sobre os venezuelanos", afirmou.

    A verdade das suas palavras é arrepiante porque é a constância de um povo em um momento de crise econômica e de cerco internacional. "Sempre leal. Traidores nunca", o refrão é ouvido no treino.

    Nos treinos do Método Tático de Resistência Revolucionária, os civis mantêm os seus espíritos com gritos e cânticos a favor da Revolução Bolivariana

    ​Os paroquianos são divididos em grupos, e cada um é colocado em um dos 13 "testes" ou instruções que terão de aprender e praticar, e todos irão rodar até concluírem o circuito.

    No caso de uma eventual guerra ou invasão, é necessário que os civis tenham noções de como se defender: esta é a premissa do Método Tático de Resistência Revolucionária
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    No caso de uma eventual guerra ou invasão, é necessário que os civis tenham noções de como se defender: esta é a premissa do Método Tático de Resistência Revolucionária

    Além do major Orozco e outros membros das Forças Armadas que o acompanham, há várias dezenas de milicianos, formados na União Cívica Militar – reconhecida na Constituição da República Bolivariana da Venezuela – que instruem muito habilmente os grupos.

    Um deles, magro, baixo, de uns 60 anos e perfeitamente uniformizado, possui um fuzil FAL e ensina o grupo por sua vez a montar, desmontar, carregar e segurar o rifle.

    No Método Tático de Resistência Revolucionária, os civis aprendem a usar armas ligeiras
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    No Método Tático de Resistência Revolucionária, os civis aprendem a usar armas ligeiras

    O oficial de 60 anos é uma enciclopédia de guerra: "este modelo de fuzil foi usado em todas as guerras." Refere-se aos que fizeram história a partir da segunda metade do século XX, quando deram início à comercialização deles.

    "É uma arma de origem belga e é um fuzil de combate. Há algumas palavras em francês", especifica. Há alguns no grupo que anotam tudo no caderno.

    Há também tradução simultânea para os surdos; um dos vizinhos está fazendo os horários, reproduzindo inclusive as posições do oficial da milícia instrutora quando ele mostra a melhor maneira de sustentar o fuzil FAL. Ombro firme, dedos nunca perto do gatilho, pés ligeiramente afastados.

    Evitar obstáculos, criar armadilhas, evitá-las: todas estas capacidades são exercidas no Método Tático de Resistência Revolucionária
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Evitar obstáculos, criar armadilhas, evitá-las: todas estas capacidades são exercidas no Método Tático de Resistência Revolucionária

    Na parte "Técnicas de Deslocamento" há outro grupo que está aprendendo como se mover sob a disciplina da 'Ponta de lança', que é um método de se mover para a vanguarda.

    Também fuzil na mão, pequenos subgrupos de duas ou três pessoas e posição estratégica para a batalha presumida. Nessa prática está Dulce Núñez, que tem 69 anos e é a sexta vez que participa de treinamento. Ela se move pelo campo de Caricuao ao ar livre, como se o tivesse construído com as próprias mãos.

    "As pessoas não sabem que uma senhora de 50 anos é mais perigosa do que o avião ou tanque de guerra mais poderoso do mundo", assegura o oficial Jesús Orozco, sobre o Método Tático de Resistência Revolucionária que treina civis para agir em caso de invasão à Venezuela

    Ela tem certeza do porquê de estar ali e da necessidade de instruir as pessoas a defender seu território, e fala de treinamento como se fosse parte de sua vida por muito mais tempo. É espantoso como ela está familiarizada, por exemplo, com como eles são ensinados a resistir aos efeitos de gás lacrimogêneo.

    Dulce Núñez diz que, graças ao treinamento militar que recebe, consegue resistir aos efeitos de gás lacrimogêneo (apesar de ter 69 anos)
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Dulce Núñez diz que, graças ao treinamento militar que recebe, consegue resistir aos efeitos de gás lacrimogêneo (apesar de ter 69 anos)

    "Eles simplesmente jogam no ar e é para aguentar e aguentar", afirma Núñez, adicionando que os testes com gás lacrimogêneo "são rápidos", e que ela chora muito, mas aguenta.

    O último teste de campo antes do almoço é a pista de obstáculos e é o de recuo. Saltos, corda, escalada, pneus e até mesmo há uma parte onde eles construíram uma pequena caverna que tem água no chão e você tem que entrar e sair rastejando por ela.

    Os civis que participam do Método Tático de Resistência Revolucionária passam por 13 testes
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Os civis que participam do Método Tático de Resistência Revolucionária passam por 13 testes

    Todos fazem tudo, esperam na fila e atiram-se felizes. Alguns gritam slogans políticos: "Pela Pátria", "Por Bolívar", "Por Chávez". Há uma mulher de 75 anos que rasteja sob um arame farpado durante dez metros sem ajuda.

    • Oficiais das milícias prestam apoio para treinar a população civil a se preparar em caso de guerra
      Oficiais das milícias prestam apoio para treinar a população civil a se preparar em caso de guerra
      © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    • O Método Tático de Resistência Revolucionária ensina as pessoas a se moverem, a agirem, a se protegerem e a saberem em quem confiar se houver uma guerra convencional na Venezuela
      O Método Tático de Resistência Revolucionária ensina as pessoas a se moverem, a agirem, a se protegerem e a saberem em quem confiar se houver uma guerra convencional na Venezuela
      © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    • Uma senhora de 50 anos é mais perigosa do que o avião ou tanque de guerra mais poderoso do mundo, diz o major do Exército venezuelano Jesús Orozco
      "Uma senhora de 50 anos é mais perigosa do que o avião ou tanque de guerra mais poderoso do mundo", diz o major do Exército venezuelano Jesús Orozco
      © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    • Às vezes, o clima na formação do Método Tático de Resistência Revolucionária é festivo
      Às vezes, o clima na formação do Método Tático de Resistência Revolucionária é festivo
      © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    1 / 4
    © Sputnik / Esther Yanez Illescas
    Oficiais das milícias prestam apoio para treinar a população civil a se preparar em caso de guerra

    Ela veste uma camiseta vermelha e seu rosto está pintado de preto, com pessoas passando toda a coragem para ela concluir o teste. Os civis venezuelanos treinam não só o físico, mas o espiritual. A resistência deles é espantosa e emociona.

    Mais:

    Como EUA usam bloqueio para provocar crise alimentar na Venezuela (FOTOS)
    EUA devem invadir Venezuela para assustar Irã e Coreia do Norte, sugere senador americano
    EUA anunciam sanções contra filho de Maduro e aumentam pressão sobre a Venezuela
    Tags:
    intervenção, guerra, civis, militares, exercícios, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar