07:48 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg (à esquerda), fala com os senadores John Tune e Chuck Grassley durante uma sessão no Capitólio

    Departamento de Estado dos EUA elogia proibição do Facebook a páginas 'não autênticas'

    © AFP 2018 / Brendan Smialowski
    Américas
    URL curta
    1 0 0

    O Departamento de Estado dos EUA aplaudiu a decisão do Facebook de remover páginas "orquestradas do exterior, que fomentam divisão e violência dentro dos Estados Unidos", segundo um comunicado divulgou nesta quarta-feira.

    Organizadores antifascistas em Charlottesville, Virgínia e ativistas locais em Washington, DC, classificaram a proibição como "censura grosseira e generalizada".

    "Aplaudimos a decisão do Facebook de eliminar contas, orquestradas no exterior, que fomentam divisão e violência dentro dos Estados Unidos", disse o Departamento de Estado, considerando a Rússia a responsável por mais de 32 páginas e contas no Facebook e Instagram deletadas. "Esses esforços fazem parte de uma campanha externa mais ampla que visa enfraquecer os Estados Unidos e ameaçar nosso modo de vida, colocando os cidadãos uns contra os outros e semeando a discórdia em geral."

    O Facebook não ofereceu nenhuma sugestão sobre quem estava por trás das contas, mas observou que suas atividades eram consistentes com contas banidas anteriormente supostamente operadas pela Agência de Pesquisa pela Internet (IRA) do Kremlin.

    Uma das páginas pegas na proibição chamava-se "Resisters" e tinha um administrador acusado de ligação ao IRA. Como esse grupo era administrador de uma página do evento no Facebook planejando um protesto contra uma manifestação no aniversário da violência fascista em Charlottesville, na Virgínia, o Facebook fechou o evento, provocando a indignação por ativistas locais.

    A proibição do Facebook foi "essencialmente censurar o trabalho de toda uma coalizão de verdadeiros organizadores que lutam por um mundo melhor", escreveu o grupo ativista Solidarity C'ville em um comunicado. "Os grupos de Charlottesville que resistiram e continuam a resistir ao impacto do Unite The Right em nossa cidade se solidarizam com os organizadores do DC que foram prejudicados por esse ato de censura grosseira e abrangente!"

    O Departamento de Estado está longe de ser o único órgão oficial a entrar em cena. "Russos e outros países estão absolutamente tentando nos manipular", disse a secretária do Departamento de Segurança Interna, Kirstjen Nielsen, em uma entrevista à Fox News, acrescentando que o Facebook deveria ser "elogiado por desvender uma ameaça muito real".

    Tags:
    Unite The Right, Solidarity C'ville, Agência de Pesquisa pela Internet (IRA), Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos, Departamento de Estado dos EUA, Kremlin, FOX News, Kirstjen Nielsen, Charlottesville, Estados Unidos, Virgínia, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik