Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

'Arrependido', Zuckerberg diz que Facebook vive 'corrida armamentista' com a Rússia

© AP Photo / Steven SenneMark Zuckerberg
Mark Zuckerberg - Sputnik Brasil
Nos siga no
O chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, aceitou nesta terça-feira a responsabilidade pessoal pelo vazamento de dados de dezenas de milhões de usuários, enquanto alertava sobre uma "corrida armamentista" contra a desinformação russa durante uma audiência de alto risco com os congressistas dos EUA.

Em sua primeira aparição formal no Congresso, o fundador e presidente-executivo do Facebook respondeu a perguntas por quase cinco horas enquanto tentava acalmar as preocupações com lacunas de privacidade e segurança na gigante das mídias sociais que enfureceram os legisladores e os dois bilhões de usuários da rede.

Sob crescente pressão sobre o sequestro de seus dados de usuários por um consultor político britânico, Zuckerberg reiterou seu pedido de desculpas pela violação histórica, antes de ser questionado sobre como o Facebook coleta e protege as informações pessoais das pessoas.

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, reúne-se com um grupo de empreendedores e inovadores durante uma mesa-redonda no centro de tecnologia da Cortex Innovation Community (arquivo) - Sputnik Brasil
Opinião: 'Depoimento de Zuckerberg ignora conteúdo extremista no Facebook'

"Foi um erro meu, e me desculpe", disse Zuckerberg sobre o compartilhamento indevido de 87 milhões de informações da Cambridge Analytica, empresa que trabalha para o presidente estadunidense Donald Trump durante a campanha presidencial de 2016. "Eu comecei o Facebook, eu gerencio e sou responsável pelo que acontece aqui", afirmou.

Ele acrescentou que o Facebook ficou aquém em proteger a plataforma, observando: "Isso vale para notícias falsas, interferência estrangeira em eleições e discurso de ódio, bem como desenvolvedores e privacidade de dados".

O CEO de 33 anos falou de uma luta constante para se proteger contra a manipulação russa da plataforma do Facebook para influenciar as eleições nos EUA e em outros lugares.

"Há pessoas na Rússia cujo trabalho é tentar explorar nossos sistemas e outros sistemas de internet e outros sistemas também", disse ele. "Portanto, esta é uma corrida armamentista. Eles vão continuar melhorando e precisamos investir para melhorar também", continuou.

Zuckerberg reconheceu anteriormente que a rede social não conseguiu fazer o suficiente para impedir a disseminação da desinformação durante a última corrida presidencial dos EUA.

A audiência do Senado, à frente de outra aparição na Câmara na quarta-feira, contou com vários intercâmbios tensos e amigáveis sobre segurança do Facebook, discurso de ódio e outros tópicos. Das centenas de perguntas que enfrentou, nenhuma pareceu desconcertá-lo mais do que a pergunta do senador Dick Durbin sobre onde ele dormira na noite anterior.

"Você ficaria confortável em compartilhar conosco o nome do hotel em que você passou a noite passada?" Durbin perguntou. Zuckerberg fez uma pausa de 8 segundos, riu, fez uma careta e finalmente recusou. "Hum, hã, não", ele disse.

E "se você mandou uma mensagem a alguém esta semana, você compartilharia conosco os nomes das pessoas com quem você trocou mensagens?" o democrata de Illinois persistiu. Mais uma vez, uma falta de vontade semelhante para responder. Talvez mais do que qualquer outro senador durante cinco horas de interrogatório, a tática de todo homem de Durbin apontou o cerne da questão que cercava a maneira como o Facebook lida com os dados privados de seus usuários.

Regulamentação

Zuckerberg disse estar aberto à regulamentação, mas advertiu contra regras complexas que podem impactar as empresas emergentes de mídia social.

"Eu acho que a internet está se tornando cada vez mais importante na vida das pessoas e acho que precisamos ter uma conversa completa sobre o que é a regulação certa", disse ele na audiência. "Você precisa ter cuidado [com uma nova política regulatória que] não se cimenta nas empresas atuais que estão ganhando".

Logotipo da rede social Facebook - Sputnik Brasil
É possível saber se seus dados do Facebook foram usados pela Cambridge Analytica

Zuckerberg também revelou que o Facebook está cooperando com o promotor especial dos EUA que investiga a interferência russa na votação de 2016. "Nosso trabalho com o conselho especial é confidencial. Quero garantir que em uma sessão aberta eu não revele algo que seja confidencial", afirmou.

Zuckerberg disse que pessoalmente não foi contatado e que não estava ciente de nenhuma intimação de dados do Facebook. "Acredito que possa haver [uma intimação], mas sei que estamos trabalhando com eles", pontuou.

Trocando sua camiseta habitual por um terno e gravata, o diretor do Facebook pareceu sombrio ao responder a perguntas difíceis sobre a enorme violação de dados da Cambridge Analytica.

"Estamos trabalhando para entender exatamente o que aconteceu com o Cambridge Analytica e tomando medidas para garantir que isso não aconteça novamente", destacou em seus comentários preparados.

Mas o show de arrependimento ficou aquém de vários legisladores. "Já vimos as visitas de desculpas antes", disse o senador Richard Blumenthal, de Connecticut, a Zuckerberg. "E então, a minha reserva sobre o seu testemunho hoje é que não vejo como você pode mudar seu modelo de negócios a menos que haja regras específicas da estrada."

Pago pelo Facebook?

Dezenas de manifestantes se reuniram diante do Congresso antes da audiência usando as máscaras Zuckerberg e as camisetas #DeleteFacebook.

Dentro da sala de audição congestionada, ativistas do grupo Code Pink usavam óculos enormes com as palavras "STOP SPYING" ("PARE DE ESPIONAR") escritas nas lentes, e acenavam cartazes que diziam "Parem de mentir corporativamente".

Testemunhar foi um novo passo para Zuckerberg, que iniciou o Facebook como abandono de Harvard em 2004, e o incorporou na maior empresa de mídia social do mundo, avaliada em mais de US$ 450 bilhões.

A cede do Facebook, Menlo Park, California - Sputnik Brasil
Moscou exige explicações do Facebook após o bloqueio das contas do grupo de mídia russo

Durante o interrogatório, Zuckerberg rejeitou a sugestão de que a gigante da mídia social, com mais de dois bilhões de usuários em todo o mundo, tenha controle exclusivo sobre seu mercado.

"O americano médio usa oito aplicativos diferentes para se comunicar com seus amigos e manter contato com as pessoas, desde aplicativos de mensagens de texto a e-mail", disse ele. Zuckerberg também disse que a empresa acreditava em um modelo de negócio apoiado por anúncios, mas parecia deixar aberta a possibilidade de uma versão paga. "Sempre haverá uma versão do Facebook que é gratuita", completou Zuckerberg na audiência.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала