Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

MRE russo: OTAN defende resolução rápida do conflito na Ucrânia, mas faz tudo para ela não acontecer

© Sputnik / Valery MelnikovBombardeio da fábrica Azovstal em Mariupol pelas Forças Armadas da Ucrânia, foto publicada em 2 de maio de 2022
Bombardeio da fábrica Azovstal em Mariupol pelas Forças Armadas da Ucrânia, foto publicada em 2 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 06.05.2022
Nos siga noTelegram
A chancelaria russa criticou o que disse ser uma postura de duas caras da OTAN sobre o conflito na Ucrânia, referindo-se ao fornecimento de armas a Kiev.
A OTAN afirma ser a favor de uma resolução rápida das hostilidades na Ucrânia, apesar de fazer o oposto, disse na sexta-feira (6) Aleksei Zaitsev, vice-diretor do Departamento de Informação e Imprensa do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.
"A política de duas caras dos países da OTAN e da UE, que seguem defendendo em palavras um rápido fim das hostilidades [na Ucrânia], continua causando indignação, pois eles fazem tudo para não permitir isso", declarou o diplomata.
"As entregas de armas à Ucrânia estão aumentando e contabilizando bilhões de dólares", acrescentou Zaitsev.
Por causa disso, sublinhou, as negociações russo-ucranianas estão estagnadas.
"À luz disso, entende-se a falta de interesse de Kiev e de seus mentores ocidentais em procurar um acordo de paz. As negociações russo-ucranianas estão em status de estagnação", comentou.
Apesar de tudo, indicou Aleksei Zaitsev, a Rússia está pronta para qualquer cenário de desenvolvimento dos eventos na Ucrânia.
"Temos sido repetidamente convencidos de que podemos esperar todo o tipo de provocações tanto dos colegas ocidentais como do lado de Kiev [...]. Somos obrigados a nos preparar para qualquer cenário de desenvolvimento dos eventos na área midiática e diretamente no terreno", afirmou Zaitsev.
Ele negou ainda as acusações ocidentais de que a operação militar especial russa na Ucrânia foi a causa principal da crise alimentar no mundo, apontando os "erros de cálculo e os erros sistêmicos acumulados nas políticas macroeconômicas, financeiras, comerciais e energéticas".
Carnes na vitrine de um supermercado na Califórnia - Sputnik Brasil, 1920, 27.04.2022
Panorama internacional
Alta dos preços dos alimentos bate recorde nos EUA após sanções contra Rússia, diz mídia
"Só não está claro por que eles estão tentando transferir toda a responsabilidade pelas consequências desta crise apenas para a Rússia. Nosso país continua sendo um membro responsável do mercado mundial em todas as circunstâncias. Pretendemos continuar cumprindo de boa-fé as nossas obrigações de contratos internacionais em termos de fornecimento de bens agrícolas e fertilizantes."
Além disso, o representante russo rejeitou as "insinuações" de que Moscou poderia usar armas nucleares na sua operação militar especial, que chamou de "mentira deliberada", e que a Rússia está firmemente comprometida com o princípio de que "em uma guerra nuclear não pode haver vencedores, e [ela] não deve ser desatada".
"No ano passado foi justamente a Rússia que conseguiu convencer os EUA, e a seguir todo o grupo dos cinco países nucleares, a se comprometerem novamente com este princípio", lembrou Zaitsev.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала