Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Premiê britânico anuncia pacote de ajuda militar de £ 300 milhões para Ucrânia

© AFP 2022 / PHILIP COBURN Foto mostra míssil Brimstone, arma de ataque ao solo guiada por radar e propelida por foguete projetada para ser transportada pelo Tornado GR4 e Typhoon F2, base aérea da Força Aérea Real Britânica RAF Marham em Norfolk, leste Inglaterra, 2 de dezembro de 2015
Foto mostra míssil Brimstone, arma de ataque ao solo guiada por radar e propelida por foguete projetada para ser transportada pelo Tornado GR4 e Typhoon F2, base aérea da Força Aérea Real Britânica RAF Marham em Norfolk, leste Inglaterra, 2 de dezembro de 2015 - Sputnik Brasil, 1920, 03.05.2022
Nos siga noTelegram
A Grã-Bretanha vem entregando centenas de milhões de libras em equipamentos militares e suporte de treinamento para a Ucrânia desde 2014, inclusive por meio da Operação Orbital, uma missão secreta na qual mais de 22.000 soldados ucranianos foram treinados no uso de armas portáteis antitanque e armas antiaéreas.
Nesta terça-feira (3), o Reino Unido organizou "um novo pacote de apoio" para a Ucrânia, totalizando cerca de £ 300 milhões (cerca de R$ 1,895 bilhão), anunciou o primeiro-ministro Boris Johnson.
"Posso anunciar hoje, em nome do governo do Reino Unido, um novo pacote de apoio totalizando £ 300 milhões, incluindo radares para localizar a artilharia que bombardeia suas cidades, drones de carga pesados para abastecer suas forças e milhares de dispositivos de visão noturna", disse Johnson, perante o Parlamento ucraniano.
A Grã-Bretanha também vai enviar à Ucrânia mísseis antinavio Brimstone e sistemas antiaéreos Stormer "nas próximas semanas", prometeu Johnson.
"Em janeiro, é claro - pouco antes de Putin lançar seu ataque - enviamos a vocês aviões carregados de mísseis antitanque, os NLAWs que acho que se tornaram populares em Kiev, e intensificamos esse esforço vital, trabalhando com dezenas de países, ajudando para coordenar essa linha de suprimentos cada vez maior, despachando milhares de armas de vários tipos, incluindo tanques agora e veículos blindados", gabou-se o primeiro-ministro.
Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido - Sputnik Brasil, 1920, 01.05.2022
Panorama internacional
Planos dos EUA e Reino Unido de assumir governança preocupam ex-colônias britânicas
Caracterizando o conflito na Ucrânia como uma batalha entre "liberdade versus opressão", entre "o certo e o errado", "o bem e o mal", Johnson enfatizou que a Ucrânia "deve vencer" e terminou com a saudação "Slava Ukraini!" (Glória à Ucrânia), frase usada por milícias fascistas ucranianas durante a Segunda Guerra Mundial.
O Reino Unido é o segundo maior fornecedor de armamento para a Ucrânia depois dos Estados Unidos, enviando para o país nos últimos anos centenas de milhões de libras em equipamentos, que vão desde armas antitanque e antiaéreas de fabricação britânica até caça-minas, lanchas lança-mísseis, veículos blindados e artilharia de longo alcance. Londres patrocinou a construção de uma nova base militar em Ochakov, região de Nikolaev, sul da Ucrânia, que as forças russas destruíram prontamente em fevereiro após o início da operação especial militar. Além do equipamento, o Reino Unido também forneceu apoio de inteligência aos militares ucranianos.
Na semana passada, a secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss, disse que a Grã-Bretanha deveria enviar ainda mais equipamentos para a Ucrânia, incluindo "armas pesadas, tanques e aviões", e pediu à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) que "dobrasse" e "continuasse indo mais e mais rápido" para "empurrar a Rússia para fora de toda a Ucrânia."
Também na semana passada, o Ministério da Defesa russo alertou que o Reino Unido evocaria uma "resposta imediata e proporcional" de Moscou se continuasse a provocar Kiev a lançar ataques em solo russo usando armas de fabricação britânica. O aviso veio depois que o ministro das Forças Armadas, James Heappey, sugeriu que tais ataques seriam um jogo justo.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала