Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Ministra australiana acusa China de interferência política em eleição que ainda nem aconteceu

© AP Photo / Leigh VogelMinistra do Interior da Austrália, Karen Andrews
Ministra do Interior da Austrália, Karen Andrews - Sputnik Brasil, 1920, 28.04.2022
Nos siga noTelegram
A ministra do Interior da Austrália acusou a China de tentar interferir na eleição marcada para o mês que vem, dizendo que o recente acordo de segurança com a vizinha nação do Pacífico tem motivos nefastos.
Em comentário à Radio Brisbane nesta quarta-feira (27), Karen Andrews alertou que os australianos devem "tomar conhecimento e prestar certa atenção" ao pacto da China com Ilhas Salomão, anunciado na semana passada.

"Pequim está claramente muito ciente de que estamos em uma campanha eleitoral federal aqui no momento. Por que agora? Por que, bem no meio de uma campanha eleitoral federal está tudo isso vindo à tona?", indagou a ministra. "Falamos de interferência política e isso tem muitas formas", acrescentou.

Embora não esteja claro exatamente o impacto que o acordo entre Ilhas Salomão e a China teria na eleição federal em 21 de maio, o Partido Liberal no poder afirma que Pequim espera ver a vitória do Partido Trabalhista da oposição, uma vez que a coligação de centro-esquerda toma uma linha cada vez mais hostil em relação a Pequim.
Vista de Camberra, Austrália (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 27.04.2022
Panorama internacional
Ex-premiês da Austrália criticam ministro da Defesa por pedir preparação 'para a guerra' com China
O Partido Trabalhista emitiu uma série de propostas nesta semana, inclusive apelos para treinar mais os soldados em outros países do Pacífico e dobrar os gastos de segurança na região. Ao revelar sua plataforma, a porta-voz do partido, Penny Wong, denunciou o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, pela sua "fraqueza" quanto à China, argumentando que o acordo com Ilhas Salomão ocorreu "sob a guarda do sr. Morrison", e alertou sobre "a perspectiva de uma base chinesa a menos de dois mil quilômetros da costa da Austrália".
Jim Chalmers, legislador do Partido Trabalhista, ignorou as observações de Andrews, constatando que, mesmo pelos "padrões incrivelmente baixos deste governo", suas críticas "foram notavelmente desesperadas e desequilibradas", acrescentando que em vez do Partido Comunista chinês, "o povo australiano vai determinar quem ganha" a eleição do próximo mês.
A ministra também alegou que Pequim tem planos de construir uma instalação militar nas Ilhas Salomão.
O porta-voz do MRE chinês, Wang Wenbin, por sua vez, refutou críticas de Camberra nesta quarta-feira (27).
"Alguns políticos australianos estão acostumados a buscar seus próprios ganhos políticos fazendo comentários negativos contra a China, e a comunidade internacional já viu o suficiente disso", disse aos repórteres. "Tais declarações não podem enganar a comunidade internacional nem o povo australiano."
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала