Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Anfitriã do G20, Indonésia afirma que líderes de todos os países foram convidados para a cúpula

© Yves HermanBandeiras de 16 países da União Europeia dispostas na sede do bloco, em Bruxelas, antes de um encontro de emergência de líderes.
Bandeiras de 16 países da União Europeia dispostas na sede do bloco, em Bruxelas, antes de um encontro de emergência de líderes. - Sputnik Brasil, 1920, 21.04.2022
Nos siga noTelegram
O presidente russo, Vladimir Putin, ainda é um dos convidados para a cúpula do G20 em Bali, na Indonésia, porque os convites a todos os chefes de Estado para a reunião foram enviados meses atrás.
Segundo Sri Mulyani, ministra das Finanças da Indonésia, país que receberá a cúpula desta vez, a decisão não será revertida.
No último mês, o Ocidente vem fazendo uma intensa pressão para que a Rússia e suas autoridades não estejam presentes ao encontro, que agrega as 20 maiores economias mundiais.

"Convidar um chefe de Estado não pode ser como 'Ah, amanhã teremos um G20, então nós podemos enviar o convite [agora]'. Enviamos convites naquela época, e isso já foi enviado. Agora, todos os países do G20 receberam o convite", disse Mulyani em debate dos Encontros de Primavera, realizados pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Mundial nesta quinta-feira (21).

Ontem (20), em reunião com chefes de bancos centrais e seus homólogos dos países do G20 em Washington, nos EUA, o ministro das Finanças russo, Anton Siluanov, alertou sobre os novos riscos que a economia mundial pode sofrer decorrentes das sanções impostas à Rússia.

"A situação da economia mundial piorou consideravelmente. A política fiscal e monetária muito fácil, implementada nos últimos anos nos países desenvolvidos, já criou pressão inflacionária no ano passado, e as restrições impostas à Rússia não apenas a fortaleceram [a inflação], mas também criaram novos riscos para a economia", disse.

Ainda de acordo com o chefe das Finanças, "o aumento dos preços da energia e dos produtos agrícolas afetará principalmente os países em desenvolvimento e de baixa renda, alguns dos quais ameaçados não apenas por problemas econômicos, mas também por graves consequências sociais".

"Outra parte da crise atual consiste na erosão da confiança no sistema monetário e financeiro internacional existente. A segurança das reservas internacionais e a livre condução das transações comerciais e financeiras não são mais garantidas. O acesso de qualquer economia aos recursos das instituições financeiras internacionais passou a depender da fidelização de seus maiores acionistas", ressaltou.

No começo deste mês, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, rejeitou os pedidos para que a Rússia seja expulsa do Grupo dos 20, dizendo que o bloco não deve ser dividido.

"Ninguém tem o poder de dividir o G20", disse Wang em reunião com o homólogo indonésio, Retno Marsudi, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores da China.

Atualmente a Indonésia detém a presidência rotativa do G20, que, segundo Wang, "não deve ser politizado" por se tratar de um fórum fundamental para a coordenação de políticas macroeconômicas e cooperação entre as maiores economias do mundo.
Depois que o chanceler alemão, Olaf Scholz, sugeriu que a Rússia fosse expulsa do grupo, o que exigiria o consenso entre todos os Estados-membros, Wang voltou a criticar as sanções ocidentais contra Moscou.
Em Guilin, na China, o chanceler chinês Wang Yi participa de coletiva de imprensa, após encontro com o seu homônimo russo, Sergei Lavrov, em 23 de março 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 01.04.2022
Panorama internacional
Ministro das Relações Exteriores chinês rejeita pedidos de expulsão da Rússia do G20
A cúpula do G20 deste ano será realizada em Bali, na Indonésia, em outubro. Vladimir Putin supostamente ainda quer participar, mas isso pode fazer com que outros líderes boicotem o evento.
O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse que os EUA não acreditam que a participação da Rússia em organizações internacionais como o G20 possa ser "business as usual" (negócios como de costume) após a crise estabelecida na Ucrânia.
Wang Yi também disse que a China "apoia firmemente" a cúpula de Bali e o fortalecimento da cooperação no G20.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала