Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Israel continua livre para agir contra Irã mesmo com renovação do acordo nuclear, diz Bennett

© REUTERS / Yonatan Sindel / PoolPolítico israelense Naftali Bennett faz discurso no Knesset, Parlamento de Israel, Jerusalém, 30 de maio de 2021
Político israelense Naftali Bennett faz discurso no Knesset, Parlamento de Israel, Jerusalém, 30 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 23.11.2021
Nos siga no
Israel manterá a liberdade de ação em relação ao Irã mesmo se o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) for renovado com Teerã, afirmou hoje (23) o premiê israelense Naftali Bennett.
"Em qualquer caso, mesmo que haja um retorno ao JCPOA, Israel certamente não é parte do acordo e não é obrigado por ele", disse Bennett na Conferência de Segurança e Política na Universidade de Reichman em Israel.
"O erro que cometemos após o primeiro acordo em 2015 não se repetirá. Nós vamos aprender com este erro. Manteremos a nossa liberdade de ação."
O primeiro-ministro afirmou que o Estado judeu deve preservar sua capacidade de agir em cada situação e sob quaisquer circunstâncias políticas.
As negociações sobre a restauração do acordo nuclear iraniano vão ser retomadas em 29 de novembro em Viena.
Em 2015, o Irã assinou o JCPOA com os Estados Unidos, China, França, Rússia, Reino Unido, Alemanha e União Europeia. O acordo obrigou Teerã a reduzir seu programa nuclear e as reservas de urânio em troca do cancelamento de sanções, incluindo anulação do embargo de armas cinco anos após a adoção do acordo.
As tensões entre os dois inimigos regionais, Israel e Irã, aumentaram ainda mais após a saída dos EUA do JCPOA em maio de 2018. Os Estados signatários foram incapazes de suspender efetivamente os embargos renovados para o comércio com o Irã, o que levou Teerã a reiniciar gradualmente o enriquecimento de urânio quando o acordo entrou em colapso em meados de 2019.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала