Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Reino Unido, França e Alemanha pedem que Irã cesse 'imediatamente' de enriquecer urânio

© REUTERS / Leonhard FoegerBandeira do Irã em frente à sede da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em Viena, Áustria, 23 de maio de 2021
Bandeira do Irã em frente à sede da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em Viena, Áustria, 23 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 19.08.2021
Nos siga no
Os três países europeus que assinaram o acordo nuclear de 2015 com Irã e outros países criticaram Teerã depois que seguiu seus planos de aumentar os níveis de enriquecimento de urânio até 60%.

O aumento do enriquecimento de urânio por parte do Irã é preocupante, apontaram novamente Reino Unido, França e Alemanha na quinta-feira (19) em uma declaração conjunta.

Segundo os países europeus, que assinaram o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) de 2015, as ações de Teerã são uma "séria violação" das obrigações de Teerã sob o acordo nuclear, pois os aumentos de pureza até 20% no Reator de Pesquisa de Teerã e de 60% em geral são "passos cruciais no desenvolvimento de uma arma nuclear", e "o Irã não tem nenhuma necessidade civil credível para estas medidas".

De acordo com Londres, Paris e Berlim, a redução da capacidade de inspeção da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em comparação com o previsto no JCPOA também é preocupante, e por isso exigiram que Teerã cessasse todas as atividades que violassem o acordo "imediatamente".

Desde há meses que as conversações nucleares em Viena, Áustria, têm estado interrompidas "a pedido de Teerã", sem que o Irã acorde uma data de reinício, o que dificulta que isso aconteça, diz o comunicado.

Na terça-feira (17) a AIEA informou seus Estados-membros que o Irã estava agora usando duas cascatas em sua usina de enriquecimento em Natanz para enriquecer urânio com até 60% de pureza.

Teerã nega que tenha iniciado a violação dos termos do JCPOA, apontando a saída dos EUA do acordo e sua reimposição de sanções em 2018, seguida ainda por um ano de silêncio pela República Islâmica, antes de o país começar a aumentar os níveis de enriquecimento de urânio. Ao mesmo tempo, o governo do pais defendeu que estava sempre pronto a recomeçar a cumprir o acordo nuclear, desde que o mesmo fosse feito pelas outras partes.

"Se as outras partes voltarem às suas obrigações sob o acordo nuclear e Washington levantar totalmente e de forma verificável suas sanções unilaterais e ilegais […] todas as mitigações e contramedidas do Irã serão reversíveis", declarou na terça-feira (17) Saeed Khatibzadeh, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала