Virologista australiana que trabalhava em Wuhan não descarta vazamento do SARS-CoV-2, diz Bloomberg

© AP Photo / Ng Han GuanTrabalhador desinfeta do lado de fora do Centro Hospitalar de Wuhan, na China
Trabalhador desinfeta do lado de fora do Centro Hospitalar de Wuhan, na China - Sputnik Brasil, 1920, 28.06.2021
Nos siga noTelegram
A virologista australiana Danielle Anderson, que até novembro de 2019 trabalhou em um laboratório do Instituto de Virologia de Wuhan, disse em entrevista à agência Bloomberg que acredita na versão da origem natural do coronavírus.

Ao mesmo tempo, a virologista não descartou a teoria de que o SARS-CoV-2 alegadamente teria vazado de laboratório em Wuhan.

"Eu não sou tão ingênua para dizer que descarto totalmente essa versão", admitiu Anderson.

A entrevistada está segura de que se o vírus foi criado e liberado do laboratório, isso nunca poderia ser intencional por parte dos funcionários ou outras pessoas. Ela admitiu um cenário em que um cientista poderia acidentalmente ter ficado infectado durante o trabalho e depois ter infectado outras pessoas, mas ela avaliou essa probabilidade como extremamente pequena, escreve a agência.

Além disso, Anderson não ficou surpreendida por os pesquisadores ainda não terem conseguido encontrar a fonte exata de transmissão do vírus, já que previamente a identificação do portador natural da pneumonia atípica levou cerca de uma década.

De acordo com Bloomberg, a virologista entende como o patógeno pode escapar de um laboratório: o SARS-CoV-1, que levou a um surto grave de síndrome respiratória aguda na Ásia em 2002-2004 e matou mais de 700 pessoas, encontrou seu caminho para fora de instalações protegidas por várias vezes.

Se forem apresentadas provas de que tal acidente gerou o surto do novo coronavírus, Anderson "poderia prever como as coisas possam talvez ter acontecido", disse ela citada pela agência.

Ultimamente surgiram publicações em mídias e declarações de países ocidentais sobre a possível origem do novo coronavírus em laboratório. A Casa Branca divulgou um comunicado onde não descartou tal possibilidade.

Os serviços secretos norte-americanos veem duas versões possíveis: a transmissão de um animal ao ser humano e o vazamento de laboratório. O jornal Times, citando fontes, informou que a inteligência britânica agora considera "possível" a última versão. Ao comentar essas publicações, Pequim diz que são os cientistas que devem determinar a origem do vírus e não os serviços de inteligência.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала