Austrália quebra acordo Um Cinturão, Uma Rota com China em meio à crise entre os dois países

© AFP 2022 / LUKAS COCHPremiê australiano, Tony Abbott, e ministro do Comércio chinês, Gao Hucheng, assinam o tratado de livre-comércio
Premiê australiano, Tony Abbott, e ministro do Comércio chinês, Gao Hucheng, assinam o tratado de livre-comércio - Sputnik Brasil, 1920, 21.04.2021
Nos siga noTelegram
Austrália revoga dois acordos com a China por não condizerem com sua nova política externa. A decisão provocaria um maior enfraquecimento na já precária relação entre os dois países.

Nesta quarta-feira (21), o governo federal australiano rasgou quatro acordos entre o estado da Victoria e nações estrangeiras, incluindo dois ligados ao acordo do governo estadual com a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota com a China, de acordo com o The Guardian.

A ministra das Relações Exteriores, Marise Payne, disse que cancelaria esses dois negócios, junto com outros dois acordos mais antigos entre o governo e entidades iranianas e sírias, porque não se encaixam mais na política externa australiana.

"Eu considero esses quatro acordos inconsistentes com a política externa da Austrália ou adversos às nossas relações externas, de acordo com o teste relevante da Lei de Relações Exteriores da Austrália de 2020", disse a ministra citada pela Reuters.

Em dezembro de 2020, o Parlamento federal concedeu poder de veto sobre negócios estrangeiros feitos por estados australianos.

O cancelamento cobre um memorando de entendimento que o premiê do estado da Victoria, Daniel Andrews, assinou com a comissão de reforma e desenvolvimento nacional da China em 2018, o qual incluía trabalho conjunto entre as duas nações na iniciativa Um Cinturão, Uma rota.

A quebra dos acordos acontece em um momento em que as relações entre o governo australiano e chinês caíram aos níveis mais baixos em décadas. A China impôs uma série de sanções comerciais às exportações australianas que vão de vinho a carvão.

Nesta quarta-feira (21), a China, através do vice-chefe da Embaixada da China na Austrália, Wang Xining, disse que não haverá "degelo imediato" nas relações entre os dois países, pois não foi Pequim quem procurou o ambiente hostil entre as duas nações, segundo a Bloomberg.

"Nossa política em relação à Austrália tem sido consistente em todo o caminho. Não fizemos nada intencionalmente para prejudicar esse relacionamento, mas vimos muitos incidentes nos últimos anos nos quais os interesses da China foram prejudicados", disse Wang em entrevista a repórteres australianos citado pela mídia.

Questionado sobre o que Camberra poderia fazer para reparar os laços, Wang disse que deveria respeitar a soberania e "abster-se de interferir nos assuntos internos de terceiros", evitar vetar investimentos chineses na Austrália e não "obstruir os programas de intercâmbio entre pessoas".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала